Como os festivais impactaram a moda

Os festivais de música vão além de simples compilados de shows, são eventos que carregam símbolos geracionais, reunindo-os em representações culturais. A união entre música e moda sempre foi evidente, elementos que caracterizam ritmos como rock, country, pop, rap e suas variações, são constantemente introduzidos no meio fashion, influenciando não apenas o público-alvo desses estilos, mas sendo incorporados nos demais.

Tommy Hilfiger Spring 2015 [Reprodução/Dazed]

Estes eventos surgiram na Grécia Antiga, com caráter competitivo, como uma forma de cultuar o deus Apolo, ligado à música e às artes, durante os Jogos Píticos. Durante a Idade Média, foram dissociados dos esportes, mas mantiveram a competitividade. Só após a Revolução Francesa, os músicos e compositores ganharam admiração e prestígio na alta sociedade, esta, que enfrentava longas viagens para escutar os seus “ídolos”, o que influenciou a criação do Bayreuth Festival,na Alemanha, no ano de 1876, o primeiro a apresentar a música como ponto principal, reunindo performances de óperas e dramas musicais, do compositor Richard Wagner; seu impacto foi tanto, que se tornou um evento anual, que acontece até a atualidade — sua mais recente edição ocorreu em agosto de 2021.

Foi apenas no século XX, com a disseminação da música popular, principalmente, do jazz, que os festivais ganharam o formato similar ao que vemos hoje. Não demorou para que o rock e outros ritmos alternativos, também aderissem ao modelo. Um grande marco para a contracultura, da década de 60, foi o festival de Woodstock, que ocorreu em agosto de 1969, iniciando a “Era de Aquário”. Os “3 dias de paz e música”, questionavam os costumes e valores morais do tradicional estilo de vida estadunidense, através do movimento hippie, que estava em seu auge e, não por coincidência, caracterizou a moda dos anos 70. O lema “seja você mesmo” de Woodstock, serviu como inspiração para diversos festivais, que levam a liberdade como preceito principal, como o Coachella, também nos Estados Unidos e, o Lollapalooza e Rock in Rio, aqui no Brasil. 

Há quem os considere ‘semanas de moda ao ar livre’, por abrirem espaço para manifestações de estilo, que vão além do simples street style. Através de produções cheias de personalidade, o público divide os holofotes com os artistas; encontram nesses eventos, a liberdade de expressão que não lhes é possível no dia-a-dia. Desta forma, o Coachella conseguiu chamar a atenção de marcas, como Lacoste, Adidas, Revolve e H&M e, de veículos como Harper’s Bazaar, que já prestigiaram e patrocinaram o evento. A partir do exemplo internacional, C&A, Chilli Beans e Adidas, fizeram suas apostas em festivais nacionais, como Rock in Rio e Lollapalooza. 

Mas o sucesso dos shows não traz lucros apenas para seus investidores, lojas de departamento perceberam o ‘boom’ nas vendas, durante os períodos pré-festivais; a procura por roupas e acessórios nos estilos Grunge e Boho Chic costuma ser tão grande, em datas próximas ao Coachella, que a Forever 21, frequentemente, lança coleções inspiradas no evento – franjas, bandanas, kimonos e  jeans são indispensáveis. 

Os estilos Rocker, Grunge, Indie, Punk, Hipster (que marcou a era Tumblr) e Boho Chic – variação do Hippie, com um toque Country – são característicos desses eventos, mas engana-se quem pensa que eles se restringem aos festivais; celebridades como Bella Hadid, Kesha, Cara Delevingne e Jaden Smith, levaram franjas, spikes e tecidos flanelados, também para os tapetes vermelhos.

Kendall e Kylie no Coachella de 2016 [Reprodução/Pinterest].

Nas passarelas, estes estilos já apareceram inúmeras vezes, mas, ao falar em festivais, precisamos mencionar a coleção Spring 2015 da Tommy Hilfiger, durante a New York Fashion Week, que foi inspirada nos festivais de Rock da década de 70, homenageando The Beatles, Jimmy Hendrix e The Who; Hilfiger apresentou elementos icônicos, como pele (sintética), vinil, coletes, calças flare, patchwork, metalizados e composições all jeans, além dos motivos de estrelas e caveiras, que estampavam as peças. O desfile contou com presenças ilustres de Georgia May Jagger – filha do astro Mick Jagger – que abriu o catwalk e, Ella Richards – neta do guitarrista Keith Richards, também da The Rolling Stones.

Tommy Hilfiger Spring 2015 [Reprodução/Pinterest].

Com o avanço da vacinação contra a COVID-19, controle da pandemia e consequente retorno dos shows, após 2 anos de eventos cancelados, percebe-se, atualmente, a volta destes estilos e tendências – antes do esperado – simbolizando o anseio, pela tão aguardada, retomada das programações musicais. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s