A influência das músicas e artistas periféricos na moda

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é xHLBypiPHXpcBGoKDazdXhulbiIWhv3H7rfq-ND-cr8tSpfW4prLu2OJz5gz58ZiZkOijD1iJU5lCeKKLxoNM-nxLeQbHdYR7Z7udXw0M6eRNMbuOBCxD5C2RYzwCmveR7f4S3s2jcGGLI0Aig

Foto reprodução: Mc Caverinha

“Meu Versace exalando, Jacaré [Lacoste] grudou no pano” (Me Sinto Abençoado- Filipe Ret e MC Poze do Rodo)

“Ela se interessa que eu tô de Nike” (Maçã Verde – Mc Hariel)

“Vou de Lacoste polo branca, jacaré da França” (DJ GM e Oldilla)“No estilo tchutchuco, Rei Lacoste, indomável”  (MD Chefe)

Essas frases vêm de letras de músicas de funk ou trap que relatam o uso e admiração de marcas, mesmo que os mencionam sem efetivamente ganharem nada por isso. Assim como nos anos 2000, teve um crescimento no desejo e procura do tênis ‘Nike Shox’ e marcas como Oakley, crescimentos derivados pelas menções em músicas do gênero e parte da composição dos looks dos artistas, hoje isso se vê em esbanjar e mencionar outras marcas como Lacoste e Nike.

Não só marcas esportivas, mas também de luxo, como Versace e Gucci, podem fazer parte dessa cultura, mesmo que parte do público não tenha o poder de compra das mesmas. De acordo com o produtor musical, Vinci (28), que viveu grande parte da sua vida nas periferias e no meio musical, nem todos prezam pela autenticidade das peças mas isso não é necessariamente um problema: “Quando se tem dinheiro, você compra a peça original. Quando não se tem e mesmo assim quer vestir, acaba-se optando pela réplica, peças falsas. Na teoria você vai estar vestido da mesma forma. O pessoal da periferia não tem preconceito entre si, não! Quem está de Mizuno falso vai andar com quem está de Mizuno original”. 

Rappers, trappers e funkeiros “trajados”, são as principais figuras de influência desse meio que divulgam e usam marcas mesmo que paguem para ter, e não para divulgar. De acordo com o produtor musical, todos querem se vestir bem e parecer o Mc famoso. “Eles querem estar com o tênis e marca do ano, e claro, usar o perfume e relógio que está em alta”. 

Foto reprodução: Mc Kyan, Tropa da Lacoste

Em setembro de 2021, uma das principais e mais citadas marcas do meio, a francesa Lacoste, divulgou sua nova coleção com um vídeo dos novos embaixadores não-periféricos que, de acordo com a repercussão, não são os verdadeiros influenciadores e divulgadores da marca, por mais que tenham sido escolhidos e pagos para isso. Artistas como o rapper Kyan, autor da música ‘Tropa de Lacoste’, se manifestaram com indignação por não se sentirem representados pela marca. “As marcas não querem se associar com a periferia. Ela acha que os clientes tradicionais, que em sua maioria são da elite, vão deixar de comprar porque não querem se vestir igual o pessoal da favela se veste. A marca vai escolher quem vai usar,  e sempre vai optar por quem tem o poder aquisitivo maior”, descreve Vinci à Frenezi

Depois da repercussão negativa, a marca voltou atrás e escolheu uma das grandes representações do funk brasileiro: Mc Dricka, que tem uma música que cita a marca, para compor o time de embaixadores da marca. Porém, para Vinci, a decisão foi apenas estratégia. “A Lacoste só voltou atrás porque não queriam sofrer boicote. Os trappers e funkeiros pagam e divulgam a marca, mas são os últimos a serem escolhidos. Eles não se sentem representados.”

No começo de junho deste ano, Caverinha e seu irmão Kay Black, foram convidados a irem à Paris, França, para conhecerem a loja da Lacoste em sua sede. Para eles, é uma representação de esforço e de sonho realizado. Os fãs da marca comentaram e aplaudiram a grife pelo reconhecimento em colocarem como embaixadores os artistas que sempre a mencionaram de forma gratuita.

Camisas de time, óculos lupa ‘Juliet’ e tênis de mola são algumas das tendências de moda que ainda continuam em evidência há anos vindas da periferia que reproduzem a forte influência dos artistas que as mencionam e usam. São itens de desejo dos fãs de funk que são provenientes de um lugar onde sempre sofreram preconceito pela sua cultura. “As pessoas que tem preconceito nunca são da periferia. As roupas da favela não são vistas como moda, já que a elite dita ela. Os jovens periféricos hoje estão quebrando essa barreira de moda e trazendo o conceito da moda da favela.”

A moda se apropria do meio em que está presente, além de ser influenciada pela cultura do local. A música sempre foi um instrumento de expressão. Ela encontra seu espaço e influencia as coisas à sua volta. “O Funk e o trap contribuíram muito para a moda, já que os jovens consomem esses estilos musicais e querem ser iguais. A música é o principal influenciador da moda. Todo mundo da favela sempre quis ter essas marcas, mas não se achavam na posição de ter aquilo. Quando o pessoal da favela começa a ganhar espaço na música, eles começam a ter dinheiro e comprar, mas sem tirar o pé da favela, e isso mostra que favelado também pode. Eles querem ter o que sempre sonharam.” 

Foto reprodução: Mc Ryan SP 
[Usando chapéu, calça e relógio Gucci] 

A periferia sempre influenciou a moda, movimento que vem de décadas. Analisando a cultura como um todo, de qualquer lugar que seja, se tudo o que derivou da periferia fosse excluído por um momento, lugares desapareceriam, estilos musicais iriam parar de ser reproduzidos, roupas sumiriam até em lugares de luxo). A periferia vem cada vez mais ganhando seu espaço no palco de apresentações. Mostrando que possuem habilidades de lançarem tendências riquíssimas e duradouras. Trappers e funkeiros souberam administrar seu trabalho e influência de forma que hoje são os maiores lançadores de tendências neste meio musical. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s