Entenda tudo sobre streetstyle e cultura do HYPE

Por Julia Ferreira e Maria Fernanda Rocino

Estranho pensar num mundo onde a tecnologia não afetava diretamente as estéticas e os estilos da moda como vivemos hoje em dia. Um tempo em que a moda era somente uma “ferramenta” utilitária a favor do pudor social e cultural, ela não era vista de forma segmentada em um sistema capitalista de oferta e procura, não qualquer tendência digital em redes sociais capaz de ditar a forma como devemos nos vestir. O guarda-roupa era simplesmente o reflexo dos valores culturais e deveres práticos de seu dono.
Não havia qualquer regra, nem inúmeras possibilidades de estilos ao se vestir cedo pela manhã, sair na rua e continuar com as tarefas do dia. O famoso termo ‘street style’ nem existia como terminologia até os anos 70, com a ascensão do estilo do hip hop em bairros da periferia de Nova Iorque – EUA, como no Bronx e Queens.

Contexto:

Afirmar que existe uma só data de nascimento para o estilo do ‘street style’ na moda é o mesmo que tentar definir a quantidade exata de tendências que nos metralham diariamente nos veículos de comunicação de moda e nas redes sociais, no mundo de hoje termos a resposta parece impossível. Mesmo assim, é de senso comum entre estudiosos de história da moda que a terminologia surgiu na transição da década de 1970 para 1980, com o fortalecimento das tribos urbanas vistas de maneira marginalizada pelo resto da sociedade. Todos esses movimentos de contracultura foram os pioneiros na dialética de usar a moda como ferramenta capaz de traduzir a personalidade, gostos e crenças não somente do indivíduo inserido naquela cultura, mas sim um grupo que foi capaz de se estruturar em um só coletivo com todas as suas ideologias.


Apesar de todos esses estilos, mais cedo ou mais tarde terem atingido o gosto popular, foi com o Hip Hop que o street style dominou o vestuário mainstream no varejo. Roupas largas ou ‘oversized’ , sneakers, jóias em ouro extremamente extravagantes e a reinterpretação de peças do mercado de luxo começaram a ganhar uma força muito grande entre os jovens de regiões marginalizadas.


Na década de 80, longe dos Hampton ou Upper West Side, do outro lado de Nova Iorque, a 125th Street no Harlem tem sido a capital da vida cultural afro-americana desde o século 20. Por lá, lojas tradicionais de famílias vendiam roupas esportivas e de trabalho – como alfaiataria. Dessa forma, com lojas em massa vendendo sempre do mesmo jeito e com produções com intuitos, a única forma de adquirir e mostrar seu estilo, era indo a costureiras fazendo roupas sob medida. Porém, com o alto custo deste trabalho, as únicas pessoas que conseguiam ter esse estilo de vida, eram drug dealers, traficantes, cafetões e outros gangsters. O objetivo era fazer suas roupas aparentarem ser caras com toques clássicos como da alfaiataria, mas com muita representação do gueto. Eles detinham do poder e do dinheiro, todos queriam se parecer com eles.


Com o movimento tendo começado no Harlem, Bronx e em Bedford-Stuyvesant, ganhou força com a proliferação da televisão em programas de tv e em álbuns de artistas de hip-hop com os clipes. A televisão e os programas de tv tiveram influência primordial para espalhar essa cultura país afora. Will Smith e Spike Lee mostravam que a cultura negra era uma proposta viável. Eles usavam Nike. Os pretos não deveriam ter como comprar roupas só dos brancos. O hip-hop realmente poderia ser monetizado.


Além da estética de poder e dinheiro, o streetstyle trazia conforto. Os traficantes de droga ficavam parados por longas horas nas esquinas vendendo produtos que necessitavam de roupas práticas, especialmente no inverno de Nova Iorque. As botas Timberland passaram a fazer parte dos looks, assim como jaquetas puffer e casacos de vela, de marcas como Tommy Hillfinger, Ralph Lauren e Náutica.

LL Cool J, rapper dos anos 90. [FOTO: Reprodução/ Getty Images]

Os diversos estilos de rua não eram vistos de maneira generosa e com o ‘glamour’ que vemos nos dias atuais, esses grupos eram vistos de forma muito preconceituosa levando em conta a origem periférica que tinham, sejam eles vindos dos bairros marginalizados da clássicas Londres, sejam eles do Bronx e do Queens na grande Nova Iorque que começava a mostrar seu potencial como capital fashion nos anos 90.


Uma das primeiras personalidades a de fato esse movimento inserir tais estilos de rua, principalmente a cultura preta do Rap, foi Dapper Dan. O designer nova-iorquino de 77 anos, começou de maneira bem simples com suas criações visionárias no cenário do Harlem em 1982, com a inauguração do seu ateliê ‘Dapper Dan’s boutique’. Ele foi um dos primeiros que teve a sacada certeira de enxergar o potencial criativo que esse estilo emergente tinha para o mercado de luxo. Na época, Daniel descreveu sua marca como “tipo de roupa masculina étnica do gueto”.

Os estilos mais vendidos eram ternos de seda, sapatos de crocodilo e ternos jeans feitos de couro. Muito antes da Nike desenvolver roupas, Day imprimia seu tecido juntamente com o logo da marca esportiva. A elegância e a praticidade impulsionam o que viria a ser conhecido como o estilo do hip hop. Designers como The Mighty Shirt Kings se tornaram conhecidos por suas roupas personalizadas com barulho das correntes, coloridas e com estilo grafite. Roupas largas, grandes, com logo, atléticas como moletons com capuz, além de jeans e jóias de luxo como pingentes personalizados e carros caros. Tudo girava em torno do dinheiro e do poder que esbanjavam.

Dan coletava peças de luxo de grandes marcas europeias como Gucci, Versace e Louis Vuitton, as destrincharam e logo depois se apropriou de seus logos para a criação de novas peças, seu processo é o que chamamos hoje de ‘upcycling’ – processo de ressignificação de um material a partir da reciclagem.

Dapper Dan e Gucci. [FOTO: Reprodução/ Dazed]

Já na europa, mais especificamente em Londres, à medida que o disco mainstream e a música rock and roll prosperavam na década de 1970, o subgênero underground do punk era um fenômeno em progresso. O estilo musical dos anos 70 foi melhor representado pelos jovens da banda inglesa Sex Pistols e por Vivienne Westwood, estilista britânica namorada do integrante Malcolm McLaren e proprietária da loja ‘Sex’, em Londres, local onde foi o centro do estilo punk, com roupas fetichistas e o próprio nome vulgar. À frente da loja, o casal era o grande responsável pelo visual transgressor da banda, graças à visão que os representava.

Num momento no qual tudo estava dominado pela ascensão do movimento hippie, o punk dominou a moda e ascendeu o gênero musical. A contracultura jovem em todo o Reino Unido desejava perturbar a paz da sociedade inglesa, ostentando então o que era considerado roupas e maquiagem chocantes e expressando sentimentalismos revolucionários por meio de sua individualidade.

Movimento Punk, nos anos 80. [FOTO: Reprodução/Folha Um]

Na mesma época, mas na Califórnia, o hip-hop teve sua influência. Partindo de sua origem, o streetwear era uma forma de descrever roupas confortáveis, usadas por grupos de surfe e skate de Los Angeles. A grande parte das roupas de streetwear que vemos hoje vem da influência do skate e surfe. No livro “This Is Not Fashion; Streetwear: past, present and future”, com 304 páginas e 14 capítulos retratando a história do movimento streetwear, a única marca que ganha um capítulo inteiro pra si, é a Stüssy. E, definitivamente, isso não é à toa.


A Stüssy conseguiu dividir as épocas em ‘antes Stüssy’ e ‘pós Stüssy’. A marca define o que é streetwear. Shawn Stüssy, o criador da marca, reuniu tudo o que veio antes dele e misturou com originalidade, influências culturais, detalhes e qualidade. Shawn cresceu na Califórnia trabalhando em lojas que vendiam pranchas de surfe. Em 1979, começou a escrever seu nome de formas diferentes sonhando em lançar sua marca de pranchas.


No ano seguinte, se mudou para Laguna Beach e montou sua loja no Canyon no ano seguinte. Imprimindo sua assinatura, colocava em camisetas para ajudar na sua renda extra, e, viu que, numa feira de pranchas, as camisetas que não estavam à venda, se popularizaram. Em meados da década de 80, Shawn estava vendendo suas roupas em Nova Iorque e montando uma equipe internacional de pessoas com as mesmas ideias. A International Stüssy Tribe, era uma equipe que influenciava surfistas, skatistas, artistas e músicos como DJs de reggae e hip-hop, com suas peças feitas sob medida, largas e com bolsos.

Foto arquivo do início da Stussy. [FOTO:  Reprodução/ The Hip]

Na década subsequente, o fenômeno tomou tamanha proporção que os magnatas do vestuário esportivo, principalmente marcas ligadas ao basquete, viram uma oportunidade de entrarem na crista da onda dessa tendência que rapidamente atingiu outras regiões dos EUA. Marcas como Adidas, Puma, Champion e Nike começaram a investir pesado em novos designs que fundissem o sportswear com o street style desses jovens da cultura do Rap, a partir de então a conexão entre o vestuário esportivo e o estilo de rua se tornou quase que sinônimos.

Designers contemporâneos:

Supreme;

A Supreme começou com James Jebbia, fundador da grife. Em meados de 1991 e 1994, James se juntou com Shawn Stussy e colaboraram juntos. Em 1994 na Lafayette Street, no SoHo- NY, que Jebbia deu início a marca independente. A loja apresentava peças tradicionais de streetwear, como sneakers, camisetas, moletons e acessórios de skateboard, se tornando então um clube underground, galeria de arte e ponto de encontro para pessoas que viviam e gostavam da cultura.


Com o passar dos anos, a marca foi ganhando seu lugar e conquistando o público fortemente. Realizando parcerias e lançando diferentes produtos, todos ganhavam a estética do logo com as linhas marcantes em tira vermelha com SUPREME escrito por cima em letras brancas- inspirado na arte de Barbara Kruger. A marca griou uma comunidade e virou um símbolo de contracultura nos anos 1990. Nos dias de hoje, a Supreme se tornou uma grife do mundo do streetwear, realizando parcerias com marcas de luxo como Tiffany & Co e Louis Vuitton.


Virgil Abloh e Off White;

Virgil Abloh foi a mente, corpo e alma da tão aclamada, respeitada e desejada Off White, além de, estar por trás das coleções de menswear da Louis Vuitton de 2018 até 2022 – ano do seu falecimento.
Abloh se formou em arquitetura e ingressou na indústria da moda em 2009 após estagiar na Fendi, mas sempre esteve ligado a esse universo com sua mãe costureira. O designer realizou a parceria criativa na maison com Kanye West que foi fundamental para a carreira artística de ambos. Ele era uma espécie de assistente craitivo de Kanye, co-criando capas de albuns, ajudando no desenvolvimento de cenários, entre outros.


Apesar do surgimento da Pyrex Vision, primeira grife de Virgil Abloh fundada em 2012, com um conceito baseado em customização de itens de outras marcas, foi a Off White, em Milão, no ano de 2013, que teve sua real ascensão no mundo da moda. Estreando na semana de moda de Paris e nomeada finalista do prêmio LVMH, desde então, a marca ganhou clientes e admiradores fiéis. Com parcerias com marcas como Jimmy Choo, Converse, Dr. Martens, entre outros, a Nike foi a parceria que mais atraiu público e hype para a marca, gerando poder e a devida atenção necessária.

(Foto: Reprodução)

Brasil;


Com toda essa onda de novidade do estilo de rua juvenil ficando mais forte a cada dia nos EUA e na Europa, com a influência dos esportes radicais e dos estilos musicais da periferia, a moda brasileira até meados dos anos 90 não criou uma identidade para si no mundo do street style. Foi com o gradual crescimento do funk brasileiro que o street style começou a ganhar a forma da nossa bandeira verde e amarela.
O funk como ritmo musical chegou nos anos de 1970 ainda com muita influência do funk estadunidense que tem forte influência do Soul Music, mas ainda de origem marginalizada em território norte-americano. No Brasil o ritmo se fundiu com o nosso MPB e teve suas primeiras aparições nas vozes de Tim Maia, por exemplo. Mas somente no final dos anos de 1980 que o ritmo musical ganhou a cara que conhecemos hoje como naturalmente brasileira, sob produção do Dj Marlboro – ele foi o primeiro a introduzir a batida eletrônica presente no funk de hoje.


Na virada do século, além do então “novo” ritmo musical ter se saído da periferia e se espalhado para a Zona Sul carioca, o funk toma conta de boates com os grupos musicais que surgiam trazendo a nova proposta. O “Bonde do Tigrão” foi o maior sucesso na época, atraindo mais admiradores para o estilo. Da mesma forma que o estilo musical demorou para chegar em território nacional e teve seu percurso traçado da periferia para os subúrbios de classe média, assim o street style que se comunica com os fãs de funk também levou 20 anos para se estabelecer como estética de moda no país.


Aqui o estilo tomou vários caminhos, desde uma certa continuação do estilo skatista proveniente da Califórnia até a formação de uma identidade própria que remonta hábitos dos funkeiros da periferia. O estilo Mandrake exemplifica que, mesmo com a influência do estilo de rua internacional, a identidade, hábitos e gostos de um povo transforma uma tendência global quando se insere intimamente em uma cultura.

Estilo Mandrake. [FOTO: Reprodução/ Kondzilla]

Mile Lab;


A marca fundada na região do Grajaú – SP em 2017, surgiu com o objetivo de não ser somente mais uma marca no mercado de moda nacional que meramente se inspira no street wear da região que a circunda, mas também atuar ativamente neste ambiente. Fundada por Milena do Nascimento Lima, de acordo com a própria direção, o coletivo criativo “busca o reconhecimento do corpo de periferia, da sua estética e do pertencimento deste corpo em todos os territórios possíveis”.


Ela tem como principal característica a busca e o ensinamento que a moda pode e deve dar voz aos periféricos em manifestar suas lutas, sua história e todo o direito e espaço para mostrarem a cultura marginal da qual fazem parte.
O coletivo, além de contar com a direção criativa de Milena, também apresenta nomes como Breno Luan e Sabrina também na criação e na assistência de estilo; na fotografia, Vinícius Marques; e por fim toda a estratégia de comunicação e as redes sociais ficam sob os cuidados de Italo Augusto. Cada um contribui com suas experiências e pontos de vista sobre tudo o que rodeia a cultura da periferia, tornando a marca ainda mais especial no meio em que atua.

Design de Milena do Nascimento Lima. [FOTO: Reprodução/ MileLab.com]

P.Andrade;

O nome de Pedro Andrade já é um velho conhecido para os fãs de street style no cenário brasileiro, sua marca Piet completa neste ano uma década de história. Andrade em pouco tempo conquistou nomes importantes do entretenimento brasileiro como consumidores, dentre eles Marcelo D2 e Chay Suede.
Tudo começou com a vontade do então estudante de design industrial em criar uma marca que pudesse oferecer às pessoas algo que ainda não era achado no mercado. Anos depois, Andrade resolveu abrir paralelamente a Piet, sua nova marca P. Andrade ao lado de sua esposa Paula Kim.
Ao invés de continuar com lançamentos mensais, a estreante na SPFW P.Andrade tem como principal foco ousar mais em criação; a marca retrata o lado mais imaginativo, jovem e sustentável do designer. Logo em sua primeira coleção, a dupla de designers conseguiu se inspirar no design e na arquitetura nacional e inseri-los em um estilo de vestuário tão “internacional” como é o caso street style.

Coleção Outono/Inverno 2022, P.Andrade. [FOTO: Reprodução/UOL]

High Company:

Não há como falar de street wear no Brasil sem ao menos mencionarmos a High Company, marca fundada em 2017 por Diogo Roccon em Vitória, ES. Diogo viveu sob a influência do surf mas foi a partir do skate que o designer criou a assinatura de sua marca. Roccon se mudou para Curitiba, PR, com o intuito de absorver o máximo possível dessa cultura, inserido dentro do maior epicentro da prática do skateboard no Brasil.


Rapidamente, a marca ganhou tamanha visibilidade que todo fashionista adepto ao estilo começou a ganhar conhecimento do trabalho de Roccon. A pouco tempo,a marca abriu seu primeiro endereço físico na região do Jardins, na Grande São Paulo, SP, conhecida por ser um bairro de extrema importância no cenário da moda nacional.
O mais interessante é que a High Company não se limitou a criação de camisetas, moletons, calças oversized, e acessórios dentro dessa tendência, mas se permitiram a criarem a ferramenta mais necessária aos usuários desse estilo, o próprio skateboard. A High Company entendeu a necessidade do mercado de criar um estilo de vida aos seus consumidores, muito além de só uma criação sazonal de vestuário.

Lookbook High Company. [FOTO: Reprodução/ High Company]

O street style e sua cultura do ‘hype’ que vemos hoje nada mais é do que um reflexo direto dos caminhos que a moda sempre trilhou no cotidiano das pessoas. A forma de se vestir fala muito além dos gostos ou da forma como a pessoa gosta de ser vista, ela está ligada a forma de viver, ideologias, crenças, hábitos, lugares que frequenta; a cultura do Hype não se resume a peças de vestuário em alta nas tendências de mercado e famosas nas redes sociais, ela fala da forma como os adeptos desse estilo vivem e se relacionam.

Como qualquer estilo dentro da moda, o street style sofreu suas mudanças ao longo do tempo, e a cada mudança as gerações deixaram sua marca e seu legado para as gerações futuras. Um estilo que  vive até hoje prestando homenagem à origem dessa cultura, contando uma história. “O que você cria hoje, conta uma história para o amanhã” , Dapper Dan.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s