Você conhece o detox digital?

“Can you reach me? No! You can’t!” apesar de ter dado início a um meme, a frase da nova música da musa Lorde, Solar Power, é extremamente relevante. As redes sociais fazem parte da vida do ser humano hoje em dia, e não só na dos jovens; São responsáveis pela divulgação de mídia, notícias, mercado, início de relacionamentos e, obviamente, entretenimento.

Embora seja um modo que muitas pessoas encontraram de explorar sua autenticidade e criatividade, é necessário admitir que a maioria dos seres humanos é viciado em algum tipo de rede social: a média é de 3h e 42 minutos por dia (pesquisa por We Are Social e Hoot Suite em Jan 2021).

Pessoas estão acostumadas a postarem só o melhor de si mesmas em suas plataformas online, formadas por muitas mentiras e retoques de sua realidade – não que seja um problema à primeira vista, mas acarreta consequências não tão agradáveis a longo prazo. Usuários muitas vezes apresentam fadiga, insatisfação pessoal, e até ansiedade relacionada com a utilização das redes. 

Uma maneira de melhorar o relacionamento com os aplicativos e mídias sociais é o método conhecido por funcionar com qualquer mau hábito: o detox! 

Tirar um tempo para fazer outras atividades não relacionadas com o telefone é fundamental para conseguir cumpri-lo. No começo não é tão fácil, mas com consistência e força de vontade tudo é possível.

O ideal para quem ainda está inseguro é começar aos poucos. Colocar o celular no modo avião quando for fazer alguma outra coisa, silenciar notificações e manter o telefone longe quando estiver ocupada são opções de um bom começo para a pessoa que não deseja cortar tudo abruptamente. Já para quem gosta muito de um desafio, iniciar o processo com a desativação de todas as redes sociais por sete dias corridos pode fazer maravilhas para o cérebro, mantendo apenas aplicativos fundamentais para contato (usando as mesmas opções do detox mais leve: modo avião e notificações silenciadas). 

Durante o percurso, é importante considerar outros hobbies para substituir o tempo passado na frente das telas. Gosta de treinar? Use esse tempo. Quer aprender um novo idioma? Use esse tempo. Está com vários livros na lista de leitura? Use esse tempo. Qualquer outro hobby que possa substituir um pouco esse vício é válido. Claro que há fatores como rotina apertada e outras condições pessoais de cada um, entretanto, muitas vezes ao fazer o detox, é possível perceber o quanto os celulares preenchem o dia das pessoas e que um gerenciamento das horas do dia para outras atividades é algo alcançável.

Outras dicas para não cair em tentação são: remover os aplicativos de fácil acesso, não deixar contas logadas, não levar o celular para lugares desnecessários, entre outros. Precisa de mais um pontapé para começar? Procure o seu tempo de tela no celular. Muitas vezes é o susto necessário. 

O começo dessa jornada pode parecer tortura, mas após certo tempo, é um perceptível autocuidado. Não há nada errado em gostar de usar redes sociais e querer passar parte da rotina fazendo isso, mas é importante não exagerar. É plausível conseguir esse meio termo, o que, com certa prática, tornará a vida no século XXI muito mais saudável.

 

5 Dicas para se Manter Consistente em Novos Hábitos

Adquirir novos hábitos e hobbies faz parte da vida da maioria das pessoas, mas conseguir mantê-los quase sempre se torna um problema. Com uma rotina agitada, redes sociais borbulhando com novos hábitos e atividades disponíveis todos os dias, fica difícil lembrar daquela palavrinha-chave quando o assunto é hábito: A Consistência.

De acordo com uma das definições do dicionário Michaelis, consistência é a persistência, estabilidade de posturas ou opiniões por parte de um indivíduo ou de uma comunidade.

Ela pode ser praticada, estimulada e não deve depender de como a pessoa está se sentindo – e sim, após isso, traz satisfação e disposição. Pensando nisso, trouxemos 5 dicas que podem te ajudar a se manter consistente em algum hábito novo e fazer ele se integrar à sua rotina. Vem ver!

Reese Witherspoon em ‘Legalmente Loira’. (Fonte: Pinterest)

1- Separe um horário para fazer essa atividade

Você é o tipo de pessoa que funciona melhor pela manhã? Ótimo! Separe um horário neste período para realizar a atividade escolhida, ajustando à sua rotina e de acordo com a frequência desejada. A mesma coisa vale para as pessoas noturnas! Não existe certo e errado, o importante é gerar uma flexibilidade e tirar o peso do “ter que fazer” algo em um horário que não lhe faz bem.

2- Comece aos poucos 

Não adianta tentar subir uma montanha sem nem ter dado uma volta no quarteirão antes. O melhor jeito de começar é sempre devagar, evitando se sobrecarregar e acabar desistindo. Um exemplo ótimo é se você quer aprender a tocar um instrumento: começar com cinco minutos por dia é ótimo! Com o tempo suas habilidades vão se aprimorando e assim vai ser possível aumentar seu tempo de treino. Quando você se der conta vai conseguir tocar por horas e nem vai perceber!

3- Lembre-se sempre dos benefícios que este hábito lhe trará

“Eu quero isso” é uma mentalidade necessária para a consistência. “Por que estou fazendo isso? O que vou ganhar com isso?” São frases que devem sempre se manter em sua cabeça. Seja um benefício para a saúde, trabalho, vida pessoal ou apenas entretenimento, é importante tê-lo delineado para que desistir não seja uma possibilidade. 

4- Não tenha somente o end goal na cabeça 

Pode parecer que esta dica anula a dica anterior, mas a jornada é tão importante quanto o destino! Se lembrar do seu objetivo é importante, mas não adianta se forçar a fazer algo pensando apenas no resultado a longo prazo. O ideal é achar um jeito de aproveitar todo o processo e gostar do que está fazendo – odiá-lo causa muita desistência!

5- Não se culpe 

Às vezes não é possível cumprir o planejado. Faz parte. É fundamental considerar que não seguir o plano uma vez não transforma todo o esforço em vão e nada foi perdido – não se culpe! Uma maneira de tentar não “furar” nem um dia, como mencionado anteriormente, é fazer tal atividade por pelo menos 5 minutos; Mesmo não sendo muito, dá a sensação de tarefa feita.

Como o Tiktok atualizou nossas noções de identificação e pertencimento

“A For You page está muito específica”, “I have been called out” e “Lower your voice” são comentários extremamente comuns em qualquer TikTok postado. Viral ou não, o algoritmo dessa rede social nunca falha. 

O TikTok está mais forte do que nunca desde seu estouro há 2 anos, a partir principalmente da quarentena e isolamento derivados da pandemia mundial da COVID-19 em 2020. Gerou inúmeras trends, mudanças na indústria musical, indústria da moda e uma nova leva de criadores de conteúdo. 

É algo natural do ser humano buscar qualquer indício de identificação, que, a partir da definição do dicionário Laplanche e Pontalis, é um processo psicológico pelo qual um indivíduo assimila um aspecto, uma propriedade, um atributo do outro e se transforma, total ou parcialmente, segundo o modelo desse outro – e essa plataforma só intensificou esse fenômeno. Como apresenta vídeos curtos, a necessidade de chamar atenção do espectador em segundos é essencial, reinventando estratégias de engajamento. Quem nunca estava usando o app e recebeu vários vídeos específicos em sequência? Essa é a “mágica” do Tiktok.

E por que as pessoas gostam tanto disso? A ideia de pertencer é um anseio comum de qualquer indivíduo, de acordo com Baumeister & Leary (1995) – “the need of belonging” traz reações positivas nas emoções de pessoas que atingem um nível superior em suas relações, sendo essencial para uma vida com satisfação e saúde. Para uma geração que nasceu e cresceu com a transformação tecnológica, muitos hobbies presentes em suas vidas estão relacionados com consumo de conteúdo midiático e internet. Há, sim, uma conexão mais abrangente com tudo e todos, mas há também um desapego gerado a partir dessa mudança. É possível considerar que a identidade de vários adolescentes e jovens adultos foi moldada assim. 

Desse modo, cada nova obsessão ou interesse de alguém se torna seu novo traço de personalidade, criando uma insatisfação a longo prazo e inúmeras crises existenciais na juventude. O TikTok proporciona um senso de conforto a partir desta realidade, já que “todo mundo está vivendo a mesma vida” e se identificar com outros ficou mais fácil e acessível. Por isso é tão popular. 

De qualquer maneira, é relevante apontar que as pessoas não são os seus hobbies; Há diversas camadas em cada pessoa que merecem ser exploradas. A rede social pode ser uma ponte para a ajuda ao autoconhecimento, mas não deve ser o único parâmetro. Ainda não se sabe qual será a real consequência do acontecimento dessa plataforma daqui alguns anos, mas o conselho é certo: use-a com moderação.