Botox: os benefícios preventivos para a pele e outros sistemas do corpo

As inovações no mundo da beleza e dos dermocosméticos não param de surgir e hoje, uma variedade de produtos que trazem efeitos rejuvenescedores, hidratantes e até mesmo do botox são vendidos. Porém, há quem prefira (ou tenha recomendação para) realizar os procedimentos tradicionais ao invés dos produtos de skincare para um efeito mais eficaz. E assim como qualquer outro procedimento, o botox pode gerar algumas dúvidas sobre sua aplicação, duração e seus efeitos a longo prazo. No texto de hoje, explicaremos um pouco melhor sobre o assunto.

As diferentes aplicações do botox

Reprodução: Shutterstock

O ativo do botox, também conhecido pelo nome de ácido botulínico, é um derivado da bactéria Clostridium botulinum, a qual, quando isolada, ajuda no tratamento de espasmos musculares. Seu fim estético foi descoberto após algumas aplicações em pálpebras e regiões com mais índice de rugas na pele, as quais apresentaram melhoras após a aplicação do ácido. Assim, o uso do botox é associado ao relaxamento muscular da região onde foi aplicado, suavizando os traços de expressão como consequência. 

Além disso, quando utilizado em menores doses, pode auxiliar no controle da oleosidade, suor, enxaqueca, tensões nervosas, bruxismo e em diversos outros problemas, indo muito além da estética.

Ana Isabel Nobre, dermatologista, nos fala um pouco sobre o botox:

“O uso estético da toxina botulínica é recomendado mais comumente para as rugas de expressão, tanto para melhorar a fisionomia da pessoa e o equilíbrio entre os músculos quanto para a prevenção das linhas de expressão, que ficam cada vez mais marcadas com o tempo.”

“Além disso, a toxina botulínica é usada para tratamento de assimetrias faciais, de bruxismo, enxaqueca e uma série de condições como a sudorese.” Completa ela.

Há também diversas marcas de toxina botulínica no mercado, sendo uma das principais e mais recomendadas o conhecido Botox. Apesar disso, outras marcas como a Prosigne e Botulim trazem ótimos efeitos, seja esteticamente ou para outros fins dermatológicos.

O botox em peles maduras

Reprodução: Shutterstock

Quando tratamos de peles mais velhas, uma das funções mais comuns do botox é aliviar as linhas de expressão que surgem com o passar do tempo.Estas podem ter diversos motivos, como a exposição ao sol, poluição do ar, sono desregulado, pele pouco hidratada e também pelos movimentos rotineiros e repetitivos dos músculos do rosto.

Nestes casos, a toxina botulínica é aplicada no músculo (e não na linha de expressão!) em regiões como o pescoço, canto dos olhos e ao redor do lábio. O botox também não é uma solução imediata: para maiores efeitos ou a redução total de linhas, a reaplicação deve ocorrer regularmente a cada 4 ou 6 meses, dependendo da área e recomendação do profissional estético.

O botox preventivo

Já o botox preventivo, como diz seu nome, tem sua aplicação logo no início do surgimento das rugas. Não há uma idade exatamente definida, mas as linhas de expressão costumam aparecer entre os 25 e 30 anos, podendo depender do quão expressiva a pessoa é.

Reprodução: Shutterstock

As áreas mais comuns a receber o botox preventivo são as linhas que surgem na testa, meio da sobrancelha, músculos dos olhos, cantos dos lábios e no queixo. A aplicação do botox preventivo segue o mesmo ritmo de reaplicação que o de tratamento, variando de 4 a 6 meses entre os casos de pessoas com maiores ou menores expressões, movimentos musculares e exposição ao sol. A manutenção é necessária pois, após algum tempo, o organismo tende a absorver o produto e voltar a produzir rugas. A quantidade necessária de aplicações pode variar dependendo da região a se aplicar e da recomendação do dermatologista.

Cuidados no pós e contra-indicações

Assim como todo procedimento feito no corpo, há uma série de cuidados necessários após a aplicação do botox, principalmente nas primeiras horas.

A principal indicação é não se deitar e evitar abaixar a cabeça nas primeiras quatro horas após a aplicação e também evitar exercícios físicos, para não comprometer os efeitos do botox. Evitar a exposição solar também é recomendado nas primeiras 24h para não causar manchas e irritações. Nos primeiros dias, evitar o uso de maquiagens e massagens faciais.

Após os primeiros dias, alguns cuidados diários também são necessários. Entre eles, podemos listar:

  • Hidratar-se bem bebendo bastante água;
  • Interromper o uso de cigarros e/ou tabacos em geral;
  • Evitar alimentos com muito açúcar e dar espaço para uma alimentação saudável;
  • Evitar situações estressantes;
  • Utilizar protetor solar diariamente;
  • Reduzir movimentos faciais;
  • Repor colágenos sempre que possível, seja com vitaminas ou através da alimentação.

Porém, por se tratar de uma toxina, é preciso tomar cuidado com a aplicação e se você atende a alguma contra-indicação. A dra. Ana Isabel nos fala sobre quando evitar o procedimento:

“Nós não fazemos aplicações em mulheres grávidas, em pessoas com doenças relacionadas à força muscular (por exemplo, as escleroses múltiplas) ou em pessoas com alergias conhecidas a algum dos componentes do produto.”, conta ela.

“É importante também saber da procedência do produto e se ele é aprovado pela Anvisa, além de realizar o procedimento com um profissional já acostumado com a aplicação da toxina botulínica, que conheça os produtos de boa procedência e também entenda da dinâmica da musculatura facial”.

Assim, não há nenhum grande risco no procedimento, mas sim na quantidade colocada; apesar disso, efeitos como o congelamento da expressão facial podem ser revertidos com o passar do tempo.

Benefícios além da face

Ainda que muito utilizado para fins estéticos, o botox ajuda muitas pessoas quando falamos de fins medicinais. Além de suavizar os traços auxiliando a não craquelar a maquiagem, por exemplo, o botox é utilizado em procedimentos para diminuir a sudorese de regiões do corpo quando aplicados nas glândulas.

Reprodução: Shutterstock

Outro uso do botox é na redução da tensão de algumas áreas, diminuindo dores de cabeça, enxaquecas e auxiliando até mesmo odontologicamente, em casos de bruxismo.

“Fui ao dentista quando era adolescente e descobri ter o problema de bruxismo. Ele me recomendou o botox para aliviar a tensão da área. De primeira, fiquei meio desacreditada, mas minha mãe me convenceu a tentar”, diz Eduarda Oliveira, 19, quando a perguntamos sobre como o uso de botox auxiliou em seu tratamento. “Melhorou demais o meu problema, eu consigo dormir tranquila, aumentou muito minha qualidade de vida. […] Faço aplicações por volta de 5 ou 6 meses tem dois anos e meio e recomendo pra qualquer um”, completa.

Cuidado extra com nossa autoestima

Indo além dos casos medicinais, o botox também desempenha sua função estética muito bem.  Um dos procedimentos mais feitos no ano de 2015, segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética, o botox somou mais de 4,6 milhões de aplicações em todo o mundo.

Isso porque o botox tem diversos benefícios estéticos, como o tratamento e prevenção de rugas, suavização das marcas de expressão, diminui os movimentos e tensões musculares e ainda dá um efeito de lifting, mesmo que leve. Assim, a possibilidade de reduzir linhas e traços indesejados em qualquer região ajuda no crescimento da autoestima de muitas mulheres e homens.

A entrevistada Gisele Campos, 31, nos conta um pouco sobre o processo de aplicação de botox facial e os motivos que levaram ela a esta aplicação: “Eu sempre tive os traços da boca muito fortes, principalmente o famoso ‘bigode chinês’ e isso me incomodava bastante. Quando fiquei mais velha, ele ficava muito marcado, não só quando eu sorria. Aí comecei a procurar métodos para remoção e encontrei o botox”, conta ela.

“Fiz aplicações durante 2 anos, com intervalos de 6 meses. Fiquei super feliz com os resultados, minha autoestima melhorou e a maquiagem parou de craquelar na região. Eu costumava usar só pra sair, então interromper o uso quando fazia as aplicações foi tranquilo”, completa.

Porém, é preciso tomar um cuidado com os excessos e com nossa saúde mental. Isso porque os padrões de beleza sempre existiram e contam com muita força para serem reforçados. Assim, muitas pessoas podem cair em uma falsa ilusão de que precisam sempre estar com o rosto jovem e sem linhas por pura pressão estética (e, às vezes, de terceiros!). Por isso, lembre-se que, com ou sem procedimentos, sua beleza continua sendo única e você deve, além de respeitar seu corpo, fazer apenas o que te faz feliz, mentalmente e esteticamente.

Engrossando os fios de maneira saudável: o que evitar na hora de cuidar dos cabelos e sobrancelhas

Muitas pessoas creem que, na hora de engrossar os fios, tudo vale: seja simpatia, receitinha caseira da avó, shampoo milagroso e até mesmo balas de vitamina. Porém, é necessário ter muita cautela para manter uma rotina de cuidados correta já que os fios de cabelo são delicados, principalmente quando a estrutura do fio é muito fina.

Os métodos que não dão certo

Um dos métodos mais utilizados na hora de engrossar os fios é o uso de óleo de rícino – porém, por mais que funcione para algumas pessoas – tanto na sobrancelha e cílios quanto nos cabelos -, outras podem ter problemas com sua oleosidade e até mesmo desenvolver acne nas regiões.

Reprodução/Shutterstock

Outro método muito famoso – porém nem sempre tão eficaz – é o das gomas para cabelos que prometem ter as vitaminas necessárias para um crescimento rápido. Entretanto, a sua efetividade é questionável, com algumas usuárias que afirmam ver bons resultados, enquanto outras não veem resultado nenhum ou até mesmo efeitos negativos. 

Algumas práticas do dia a dia também podem tornar seus fios mais fracos e quebradiços e, consequentemente, finos.  Entre elas, podemos citar a lavagem das pontas com shampoo, o uso constante de chapinha e calor – sem o uso adequado de protetores térmicos – e também pentear de cima para baixo e não de baixo para cima.

As receitas caseiras também podem ser grandes vilãs na hora de cuidar dos fios. Muitos ingredientes utilizados podem, na verdade, remover alguns dos nutrientes que o cabelo já está em defiência e, ao invés de melhorar, piorar a situação. A dermatologista Ana Isabel Nobre nos alerta: “Receitas caseiras e cosméticos não funcionam para engrossar os fios! Merece atenção, no entanto, caso você esteja notando que seu fio está ficando mais fino – nesse caso, é importante procurar um dermatologista porque pode se tratar de uma situação patológica, que nesse caso tem sim tratamento, mas com medicamentos.” Alguns métodos caseiros, como o spray com sal marinho, podem, além de queimar os fios quando em contato com o calor, ressecar e quebrar ainda mais os cabelos.

O ‘efeito reverso’

Reprodução/Shutterstock

Porém, mesmo evitando os métodos errados e as receitinhas caseiras, seguir alguns métodos certos em excesso podem causar um problema já conhecido: o efeito reverso. Também conhecido como efeito rebote, ele consiste no tratamento excessivo dos fios, quando não há a necessidade de inserir mais vitaminas.

Assim, seja por fazer hidratações demais, tomar vitaminas sem necessidade ou qualquer outro método, acreditando que o cabelo ficará perfeito, ele pode se tornar oleoso, ressecado ou até sem vida, ao contrário do que era desejado. Ou seja, para evitar o efeito rebote, é necessário seguir o cronograma correto ou as recomendações do que seu cabelo precisa, deixando sempre os fios respirarem. 

Como engrossar o cabelo e sobrancelhas da forma correta?

Agora que falamos sobre o que evitar, trazemos algumas dicas para engrossar os fios, principalmente dos cabelos.Um dos primeiros métodos é básico – e não exige muito esforço: o corte de cabelo, por exemplo, pode ajudar a dar a impressão de ‘cabelo cheio’. Cortes mais retos ou em camadas ajudam a encorpar os fios.

Reprodução/Instagram @romeufelipe

Porém, se seus cabelos já são mais cheios, vale conversar com seu cabeleireiro de confiança antes para não dar a impressão de cabelo muito armado ou com muito frizz (se não for esse o resultado que você busca).

Seguindo para o cronograma capilar, a umectação é uma grande aliada para nutrir os fios utilizando algum óleo. Porém, o processo deve ser feito com cuidado e somente quando necessário, evitando o efeito reverso e a oleosidade excessiva na raíz dos fios. A dermatologista ainda reforça: “A nossa genética determina as características dos nossos fios, e uma alimentação normal, com alimentos nutritivos, garantirá que seus fios tenham a espessura determinada geneticamente para eles.”

Alguns alimentos também ajudam na hora de fortalecer os fios. Entre eles, podemos citar:

  • Ovos, que são fonte de proteína;
  • Peixes, ricos em ômega 3;
  • Cenoura e outras frutas ricas em vitamina A e B;
  • Legumes e verduras verde escura, como o couve e o espinafre e feijão, ambos ricos em ferro;
  • Sementes, como as chias.

Nicoly Farias, 22, não encontrava um método que encaixasse em sua rotina. Assim, passou com uma dermatologista e começou a tomar vitaminas. “Ela me passou uma receita específica e, tomando as vitaminas diariamente, os pelos da minha sobrancelha começaram a crescer. Hoje, ela está bastante cheia, muito diferente do que era antes.”, diz ela.

Além disso, as tecnologias do mercado estão sempre evoluindo. Logo, temos produtos que contam com vitaminas necessárias para engrossar os fios, como a biotina (ou vitamina B7) e queratina, que fortalecem os fios. Um dos dermocosméticos mais eficazes do mercado são as linhas Tio Nacho Engrossador e Fortalecedor, porém, algumas pessoas relatam que os fios tendem a ficar mais ressecados.

Isabella Ribeiro, 21, nos conta que utilizou a linha de shampoo para engrossamento e conseguiu ótimos resultados: “Em três meses, percebi um crescimento absurdo dos fios, além de ficar com a aparência de mais cheio. Porém, precisava hidratar bastante o cabelo praticamente todas as semanas”, relata ela.

Por fim, produtos com babosa entre seus componentes também auxiliam a encorpar os fios e, diferente dos outros, a hidratá-los. Porém, sempre fique atenta ao excesso de produtos hidratantes e busque sempre um acompanhamento com um especialista dermatológico para consultar sua saúde corporal e dos seus fios.

Extensões de cílios e a praticidade na hora de destacar o olhar

Método favorito de muitas celebridades – e também de muitas de nós – as extensões de cílios seguem em alta. Cada vez mais mulheres estão aderindo aos fiozinhos extras, seja para marcar o olhar ou para dar um toque a mais no visual. As extensões de cílios chegaram ao Brasil há cerca de quatro anos, porém já estão disponíveis no mercado internacional desde o início dos anos 2000 em países como o Japão. Além disso, como diversos outros produtos de beleza, as extensões de cílios já eram idealizadas por volta do século XIX, principalmente com a evolução dos cílios postiços.

Hoje, com as tecnologias atuais inseridas no universo da beleza, as extensões de cílios são feitas por profissionais de estética e podem ter diferentes tipos. Alguns deles são:

Fio a Fio

Imagem: Shutterstock

Este tipo de extensão consiste na aplicação fio por fio de cílios sintéticos ou de seda entre os cílios naturais da cliente, dependendo do efeito que ela quer.

Quando são utilizados os cílios de seda, o efeito é mais natural e os fios são mais finos. Já com os sintéticos, o efeito acaba saindo mais volumoso. Isto também serve para os outros tipos de aplicação.

Volume Russo

Imagem: Shutterstock

O volume russo trata-se dos fios (sintéticos ou de seda) embutidos. Assim, um fio do volume russo tem a grossura equivalente a três fios do comum.

Este modelo serve para as que querem um olhar bem mais marcado – e não muito natural. Também são bastante utilizados em editoriais e maquiagens artísticas, mas podem ser utilizados no dia a dia.

Tufos (ou 3D)

Imagem: Shutterstock

Já os tufos ou a extensão 3D consistem em pequenos conjuntos de cílios acoplados que são colados entre os cílios naturais.

Neste modelo, você consegue tanto um resultado natural quanto um resultado mais cheio – depende da quantidade de cílios aplicados.

Nos três tipos, a primeira aplicação pode variar entre R$ 150 e R$ 240, mas as manutenções podem ser mais em conta. A extensão fio a fio costuma durar 20 dias.

Facilitando a rotina de beleza

Reprodução/Pinterest

Cada tipo conta com sua vantagem, porém, a aplicação de cílios em geral pode ter diversas vantagens para quem procura aumentar o volume dos fios sem a necessidade de colar os cílios postiços sempre. Além disso, as extensões de cílios podem trazer praticidade ao dia-a-dia e também ajudar a autoestima.

Entrevistamos Vitória Midory, 19, que gosta da praticidade que as extensões de cílios trazem: “Eu não sou uma pessoa viciada, que não vive sem. Faço desde os 17 anos e coloco em datas comemorativas […] quando tem aniversários, casamentos, eu gosto de colocar, acho que facilita muito a vida. Como está próximo do meu aniversário, eu coloquei as extensões.” Porém, Vitória sempre procura tomar certos cuidados, ainda mais no pós-aplicação:

“Gosto de colocar os cílios o mais natural possível, mas dessa vez coloquei mais cheios. Porém, ao final das aplicações, meu olho costuma lacrimejar um pouco por conta da cola utilizada, ainda mais que tenho um alto grau de miopia e astigmatismo. Mas maiores complicações eu nunca tive! […] Os cuidados que tenho são não molhar nas primeiras 24 horas e escovar sempre para não ficar empelotado.”

Ainda assim, alguns cuidados têm que ser tomados, pois quando não colocados da maneira certa, com ferramentas higienizadas e até mesmo quando mal cuidados, os cílios podem trazer problemas. Conversamos com a dermatologista Aline Tiemi sobre algumas desvantagens e contraindicações das extensões de cílios.

A maioria dos cilios utilizados são de material sintético e fixados a região com uma cola. Esses materiais podem causar dermatite de contato (alergia) em alguns pacientes.”, nos conta a doutora. E ainda complementa: “Outro ponto é que o procedimento prejudica a higienização do local e pode ajudar a obstruir algumas glândulas responsáveis pela lubrificação dos olhos, aumentando o risco de blefarites.

Nos cuidados, a dermatologista reforça que as extensões não devem ultrapassar o período de 20 dias recomendados pelas profissionais de cílios. Além disso, ela também recomenda que pacientes com históricos de conjuntivite ou blefarites de repetição, que usam lentes de contato ou que têm alergias não realizem o procedimento.

Como fazer uma aplicação correta?

Para realizar uma aplicação correta dos cílios e evitar problemas futuros, chamamos a profissional de cílios Bianca Munhoz, 19, para falar um pouco sobre o procedimento. Segundo ela, a aplicação pode ser um processo demorado, podendo levar, normalmente, entre 2h30 e 2h40, variando de acordo com a técnica escolhida.

Imagem: Shutterstock

Para que os cílios sejam aplicados, alguns materiais são necessários, como:

  • Colas específicas (normalmente com compostos de cianoacrilato);
  • Cílios (sintéticos ou de seda)
  • Fita crepe;
  • Sabão neutro;
  • Fita transpore;
  • Soro fisiológico e;
  • Primer para cílios.

Por fim, após a aplicação, alguns cuidados também são necessários:

O primeiro cuidado que se deve ter é não molhar as extensões nas primeiras 24 horas. Não usar rímel, higienizar sempre os fios e também nunca puxar os fios para não danificar os cílios naturais são dicas fundamentais.”, reforça Bianca. As extensões são uma forma prática e duradoura de destacar o olhar, mas devem ser muito bem cuidadas para evitar problemas na área dos olhos – podendo até mesmo prejudicar sua visão.

Autoestima e beleza no Dia dos Namorados

Em datas comemorativas, é comum que as pessoas curtam fazem produções e celebrar em grande estilo, e no Dia dos Namorados, isso não é diferente. Para muitas, um dia de selfcare nunca é demais e nós da Frenezi pensamos o mesmo. Porém, o problema mora quando este autocuidado tem como única intenção agradar seu amado ou amada.

Não nos leve a mal: não há problemas em agradar a quem você ama, mas quando há um exagero em mudar sua aparência por outra pessoa que não seja você, sua autoestima pode ser afetada. Em muitos filmes e séries como Sex And The City (1998), Bridgerton (2020) ou até mesmo nos contos de fadas, as personagens principais sempre estão em busca de seu grande amor – e sua beleza também está muitas vezes ligada a o que esta terceira pessoa pensa. E é aí quando a autoestima pode começar a ficar abalada. 

“Eu sou alguém que está procurando por amor. Amor de verdade. Ridículo, inconveniente, consumidor, não-consegue-viver-sem-o-outro tipo de amor” Reprodução: HBO

A autoestima

Em diversos comerciais de beleza no ‘mês dos namorados’, a linha de raciocínio é a mesma, de que você precisa de alguém amado neste dia. Porém, em questões de autocuidado, o dia dos namorados é tanto para quem está em algum relacionamento quanto para quem está solteiro: não há motivos para ficar para baixo e não cultivar o amor próprio se você não tem algum interesse romântico rolando.

Talita Belém, 36, nos conta que adora se arrumar pro dia dos namorados. “Acho que é uma data especial, que você compartilha com quem você está todos os dias e, por ser uma vez ao ano (como as outras datas), vale fazer um esforcinho a mais pra quem a gente gosta e, no final, nem se torna um esforço.”

Maria Julia, 20, compartilha conosco um pouco dessa visão dos dias atuais: “Eu acho que, querendo ou não, no dia dos namorados as mulheres querem se sentir mais bonitas, comprar uma lingerie especial, essas coisas. Acho que tem muito disso sim. Eu não me arrumaria toda (hoje em dia). Acho que isso é mais em começos de namoro, em casais que não têm tanta intimidade.” 

O que é o caso de Daniela Santos, 26, que costumava se arrumar sempre em seu antigo namoro. “Eu me produzia toda, sempre pra agradar ele. Virou um ciclo vicioso, não me aceitava natural, sem maquiagem”, diz ela. “Chegava o dia dos namorados, a gente costumava sair, então eu sempre fazia as unhas antes, me maquiava em casa, arrumava cabelo, pensava numa roupa e às vezes até comprava uma nova! Comecei a não ficar mais desarrumada perto dele.” completa.

De pouco em pouco, a autoestima pode ir acabando nesses casos e começa a ser difícil de recuperá-la – mas nunca impossível! Por isso, pensamos numa rotina ideal para quem quer celebrar o amor próprio – ou até mesmo voltar a tê-lo – por meio da beleza neste dia especial.

Cuidando de seu grande amor: você!

Reprodução: Instagram (@badgalriri)

Primeiro: é sempre bom lembrar-se que este dia celebra o amor e, dentre todas as formas de amor, também está o amor próprio. Seja para quem vai ficar em casa ou quem irá sair para algum date ou festa, começar o dia com um banho quente e relaxante ajuda a aumentar o astral. Fazer uma hidratação nos cabelos, esfoliar a pele, utilizar óleos de banho e máscaras faciais: tudo vale no skincare. Após o banho, se presenteie com uma massagem com seu creme favorito, deixando a pele sempre macia e cheirosa.

Reprodução: Pinterest

Para as que são do time de se produzir: não tenha medo de ser feliz. Maquiagens temáticas ou básicas, apostando no novo – como um chamativo batom vermelho, vinho ou preto (alô, Rihanna!) – ou na produção que você mais gosta podem te ajudar a se sentir mais bela do que nunca. Testar um novo penteado, uma nova nail art enquanto ouve alguma de suas músicas favoritas pode ser um ótimo ritual para distrair o corpo e a mente.

Por fim, agora que você está pronta, caso você decida ficar em casa, prepare um prato especial, uma sobremesa gostosa e curta sua ótima companhia ao assistir um filme. Ou se você é do time das que gostam de sair: partiu! Seja sozinha, com amigas ou alguém especial, você estará exalando amor próprio e qualquer lugar irá se tornar incrível. E aí, quais seus planos pro dia dos Namorados?

O Sucesso dos Alongamentos de Unha – A Beauty Trend Inabalável

Os alongamentos de unhas estão fazendo muito sucesso – seja no Instagram, Pinterest ou TikTok – e nós da Frenezi também amamos essa tendência super atual. Porém, esta prática é comum há muito tempo: por volta do ano 600 a.C., durante a dinastia Chou, na China, mulheres e homens utilizavam acessórios para alongar suas unhas e  protegê-las, como um verdadeiro item de luxo.

[Imagem: Reprodução/Acervo Chinese Antiques UK]

A prática de utilizar esta ‘proteção’ de luxo para as unhas seguiu forte no Oriente até o século 19 e há diversas peças guardadas como acervo histórico, principalmente da dinastia Qing. Na época, quanto maiores suas unhas, melhor você era tratada na sociedade. Um verdadeiro luxo, não?

[Imagem: Reprodução/Pinterest]

Porém, os verdadeiros alongamentos de unha vieram a ser criados alguns anos depois. Em 1934, o dentista Maxwell Lappe criou as primeiras unhas acrílicas para clientes que roíam muito suas unhas. Vinte e um anos depois, outro dentista – Frederick Slack – tentou consertar uma unha quebrada utilizando acrílico e, acidentalmente, inventou o que viria a ser conhecido como alongamento de unha.

A prática começou a se tornar um sucesso e, nos anos 70, os salões de beleza começaram trabalhar especificamente na área de alongamento de unhas. A partir dos anos 2000, as técnicas de alongamento de unhas foram sendo adaptadas e novos tipos de alongamento foram inventados, ganhando um grande sucesso atualmente.

Os principais tipos de alongamento

Quando você vai num salão de beleza especializado em alongamento de unhas, você se depara com diversos tipos de alongamento e pode escolher o que mais irá te agradar. A maioria dos procedimentos costuma durar entre 1h30 a 2h30, podendo variar bastante dependendo do tipo de unha e nail art que você pretende fazer.

FIBRAS DE VIDRO

Imagem: [Reprodução/Pinterest]

Feitas por meio de filamentos de fibra de vidro por cima da unha natural e fixadas com gel, os alongamentos de fibra de vidro são os mais pedidos nas manicures. Seu material é resistente e a manutenção deve ser feita a cada 20 dias.

Principais vantagens: Resultado muito natural e extremamente resistente, recomendado para quem faz trabalhos manuais e de digitação

Valor médio: Aplicação – entre R$150 e R$250 | Manutenção: entre R$50 e R$80

FIBRAS DE SEDA

[Imagem: Reprodução/Pinterest]

Feitas por meio de uma malha de fibra de vidro que funciona como uma unha postiça e protege as naturais. Selada com cola, as unhas de fibra de seda são ideais para quem sofre com unhas roídas e quebradiças. A manutenção deve ser feita a cada 15 dias.

Principais vantagens: Proteção e maior segurança do que alongamentos de acrílico

Valor médio: Entre R$55 e R$100

GEL

[Imagem: Reprodução/Pinterest]

Feitas por meio de camadas de uma esmaltação específica de silicone a base de gel, este alongamento é bastante manuseável e hipoalergênico. Funciona como uma prótese permanente e requer manutenção a cada 15 dias.

Principais vantagens: Muito duradouro

Valor médio: Aplicação R$100 | Manutenção entre R$50 e R$80

ACRÍLICO OU ACRIGEL

[Imagem: Reprodução/Pinterest]

Feitas por meio da colagem de unhas artificiais na ponta das unhas naturais e seladas por um pó acrílico sobre ambas. Também pode ser feita sem as unhas artificiais e ambas requerem manutenção a cada 20 dias por conta do crescimento natural das unhas.

Principais vantagens: Material muito rígido e duradouro

Valor médio: Entre R$100 e R$160

PORCELANA

[Imagem: Reprodução/Pinterest]

Feitas por meio do pó acrílico em tom branco e utilizam moldes colocados por baixo da unha natural, ajudando no desenho desejado. Suas técnicas são complexas e requerem manutenção a cada 20 dias.

Principais vantagens: Resistente e muito durável

Valor médio: R$150

TIPS

[Imagem: Reprodução/Pinterest]

Feitas por meio da colagem de unhas postiças de plástico sobre as naturais. A unha já vem ‘pronta’ e não precisa ser moldada. Sua finalização é feita com gel ou porcelana. Requer manutenção a cada 20 dias.

Principais vantagens: Conservação do esmalte, preço mais acessível, durabilidade

Valor médio: R$80 a R$150

Alongamentos: o luxo moderno

[Imagem: Reprodução/Instagram (@robertamunis)]

É comum ver as celebridades em clipes, ensaios fotográficos, tapetes vermelhos e em shows com alongamentos chamativos e até mesmo de luxo. Essas nail arts mais elaboradas podem ser mais caras e os procedimentos podem passar das 3h. Consultamos a nail artist de celebridades como Lívia, Marina Senna e Maísa e o preço varia um pouco mais do que os dos alongamentos comuns.

No estúdio Roberta Munis, os alongamentos custam entre R$305 e R$350, dependendo do tamanho da unha. A manutenção está entre R$215 e R$260. Para procedimentos específicos como nail arts, o valor é de R$188. Outros são adicionais, como esmaltes especiais (R$62), pigmentos nacionais (R$35) ou importados (R$53) e pedrarias e aplicações em 3D (entre R$80 e R$125).

[Imagem: Reprodução/Instagram (@theestallion e @luisasonza)]

Ouro nas mãos, unhas com mais de 15 cm, decorações exageradas, tudo vale na hora de inovar na nail art – algumas são só possíveis com unhas extremamente longas.

Conversamos com a Nail Artist Victoria Santiago, 20,  sobre o processo dos alongamentos: “A cultura brasileira faz com que a maioria das mulheres optem por unhas um pouco mais comuns, com aspecto mais natural possível, mas isso também varia de acordo com idade e localização do público. Eu particularmente tenho bastante procura por unhas mais elaboradas, com cores fortes, desenhos, pedrarias, formatos longos e diferentes. E sim, estas são mais difíceis de executar […]”

Assim, tem quem aposta nas mais simples – mesmo com cores chamativas, o formato ainda é o tradicional. Isso acontece com Giovanna Minotto, 24, que faz alongamento há mais de 4 anos: “sempre gostei de unhas grandes, desde pequena. Normalmente eu faço nail designs mais chamativas […]”, diz ela. As unhas, além de item de luxo, são um item de beleza que pode ajudar a autoestima de muitas e também ajudar com problemas como por exemplo, de quem rói unhas.

Por fim, é bom atentar-se aos cuidados, principalmente depois do procedimento: “Não fazer muita pressão com as unhas, como abrir latas, batucar, usar as unhas como ferramentas para qualquer coisa. Também evitar colocar na boca, mordiscar, ou imergir em produtos de limpeza por muito tempo e com frequência.” nos diz Victoria.

Também é necessário respeitar o período de manutenção, que não pode passar de 30 dias, embora muitos alongamentos durem esse tempo, é prejudicial pra saúde da unha natural, pois a estrutura fica comprometido, facilitando quebras e rachaduras, e também podendo haver descolamentos que geram infiltrações e até mesmo em casos graves, fungos e bactérias.”, complementa.

Como os óleos essenciais podem trazer benefícios para a pele?

Entre os diversos tipos de skincare e produtos para a pele e corpo disponíveis no mercado, a prática de utilizar óleos no dia-a-dia vem se tornando muito comum. O uso de óleos essenciais e vegetais está tão em alta que até a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) reconheceu a aromaterapia como uma prática terapêutica de bem-estar complementar a outros tratamentos. Mas como ela funciona?

AROMATERAPIA

O processo da aromaterapia consiste no uso de óleos concentrados voláteis (os essenciais, com nome derivado da sua essência) e gorduras (óleos vegetais) extraídos de plantas, cujas essências promovem o bem estar e saúde. A técnica consiste em quatro etapas: manutenção da boa forma física, alimentação consciente, relaxamento profundo e direcionamento dos pensamentos. Porém, a aromaterapia tem que ser recomendada por profissionais médicos, aromaterapeutas, psicoterapeutas e profissionais de estética como massagistas. 

As principais formas de utilização destes óleos são os usos aromáticos e tópicos. O uso interno é feito em alguns países e culturas, porém ainda não é permitido no Brasil. Além disso, eles podem ser utilizados em:

  • massagens;
  • banhos e escalda-pés;
  • colares aromáticos;
  • inalação.

Os óleos essenciais podem ser utilizados por meio de inalação, colocando algumas gotas na mão, e após esfregá-las, inspirando seu aroma; ou por uso tópico, sendo diluídos em óleos vegetais e usados para massagens corporais. 

Massagem com óleo essencial [Imagem Shutterstock]

Esfregá-los em partes do corpo como peito, pescoço, pulso, testa, mãos e pés também podem ajudar a relaxar a pele (nunca em contato com a pele, mas sim diluídos em óleos vegetais, por exemplo, para evitar alergias). A dermatologista Dra. Aline Tiemi diz que:

“O óleo essencial nunca deve ser usado puro na pele pois ele pode irritar, causar alergias, e até mesmo pigmentações como é o caso dos óleos cítricos (principalmente associado à exposição solar). […] Seu uso pode ser juntamente com o restante da rotina de cuidados da pele e cabelos, basta acrescentar algumas gotas do óleo essencial nos produtos de uso diário (limpadores, hidratantes, máscara capilar, shampoo ou condicionador)”.

“Os rótulos desse tipo de produto nem sempre evidenciam todos os componentes da fórmula, pois não há uma regulamentação para isso. Além disso, o objetivo principal dos processos de extração de óleo essencial é capturar aromas. Sendo assim, a maioria dos óleos não deve ser ingerida.” Completa ela.

A PRÁTICA PODE SER REALIZADA EM CASA?

Sim. Os óleos utilizados podem ser encontrados no mercado e você pode fazer ambos os tipos de utilização. Algumas pessoas ainda preferem realizar a inalação por meio de difusores, aparelhos que são feitos especialmente para o uso de óleos essenciais. A aromaterapia também pode ser feita no ambiente, como velas de aromaterapia (que contêm óleos essenciais na cera) ou até mesmo diluídos em água e borrifados no quarto ou em seu travesseiro.

Aromaterapia com velas a base de óleos essenciais. [Imagem Shutterstock]

Outros métodos como adicionar os óleos numa panela com água fervente e inalar o vapor aromatizado ou colocar algumas gotas em sais de banho também são muito utilizados. Porém, a Dra. Aline Tiemi adverte:

“Com relação a seu uso não há dúvidas que trazem uma sensação de bem-estar, no entanto é importante reforçar a falta de estudos de qualidade sobre seus efeitos. Existem diversos estudos, mas com avaliações subjetivas, poucos pacientes, pouca padronização, entre diversos outros problemas. […] O importante é que sejam bem indicados e que sejam sempre usados como um adjuvante no tratamento indicado pelo médico, principalmente pacientes com quadros de doenças de pele mais graves.” 

Assim, é sempre bom ter uma recomendação profissional antes de realizar os procedimentos.

OS ÓLEOS ESSENCIAIS MAIS COMUNS E SUAS PROPRIEDADES

“Os óleos essenciais são basicamente extratos vegetais concentrados obtidos por prensagem ou destilação a vapor de flores, folhas, cascas, frutos ou sementes.” diz Aline. Abaixo, ela lista alguns dos óleos essenciais existentes e suas propriedades:

Óleo essencial de lavanda. [Imagem Shutterstock]
  • Lavanda:  ansiolítica e analgésica 
  • Melaleuca: anti microbiana, anti fúngico, reduz oleosidade
  • Gerânio: Anti-inflamatório.
  • Citronela: Repelente de insetos.
  • Rosa Mosqueta: hidratação.
  • Alecrim: Antioxidante e antimicrobiano.
  • Lemon grass: Anti séptico, tônico e estimulante.
  • Bergamota: despigmentante.
  • Camomila: Calmante e anti-inflamatório.

BENEFÍCIOS DO USO DOS ÓLEOS ESSENCIAIS

Os principais benefícios da utilização de óleos essenciais estão na promoção do equilíbrio físico, mental, espiritual e emocional de quem realiza o processo de aromaterapia.

O alívio de sintomas como estresse e ansiedade também pode ser feito por meio dos óleos, assim como o alívio da insônia, por terem efeitos calmantes. Porém, cada óleo se adapta diferentemente no corpo de cada pessoa, podendo funcionar melhor para alguns do que para outros. Por isso, é importante analisar o desempenho do óleo de acordo com seu uso.

É importante certificar-se de que os óleos sejam 100% puros e não apenas aromas, pois os segundos funcionam apenas como perfumes e são sintéticos, não tendo ligação nenhuma com o bom estar, diferentemente dos óleos essenciais puros.

Além do corpo e bem estar, os óleos essenciais podem também fazer bem aos fios. Alguns óleos podem auxiliar no crescimento capilar de forma saudável, nutrindo a raiz. Além disso, o óleo de lavanda pode acalmar e hidratar o couro cabeludo por conta de suas propriedades cicatrizantes e antimicrobianas.

Os tipos de cabelo — e como cuidar de cada um

Crespo, cacheado, ondulado e liso – sabemos que existem diversos tipos de cabelo, mas nem todos sabemos as especificações dos fios.

Além de diferentes texturas e espessuras, os diferentes fios precisam de cuidados específicos de acordo com sua classificação.

TIPOS DE CABELO

Antes de sabermos como classificá-los, precisamos entender o porquê de existirem tantos tipos de fios. 

A dermatologista Aline Tiemi nos explica: “Nosso fio de cabelo é composto principalmente por queratina. A queratina é constituída por cerca de 20 aminoácidos […] Os aminoácidos presentes na queratina interagem entre si através de três tipos de ligações, que são as pontes de hidrogênio, as ligações iônicas e  as ligações cisteídicas ou dissulfídicas.”

“Esse último tipo de ligação é a mais estável dentro da queratina, sendo a principal responsável por definir a estrutura do fio […] quanto mais ligações dissulfídicas, mais crespo será este fio, quanto menos ligações, mais liso.”, completa ela.

O sistema de classificação para os tipos de cabelo foi criado pelo cabeleireiro americano Andre Walker na década de 90. Na época, ele costumava ser o Hair Stylist de Oprah Winfrey.

Inicialmente, a utilidade desse sistema era unicamente para sua linha de produtos. Porém, a popularidade foi tanta que é a medida mais utilizada atualmente.

Nele, temos 4 divisões que contam com 3 subdivisões cada. São eles:

CABELOS LISOS

Reprodução/Pinterest

Os cabelos lisos consistem em fios sem curvatura e, em alguns casos, costumam ser mais oleosos na raiz. Estes categorizam o tipo 1.

Nele, há três subdivisões, sendo os tipos 1A, 1B e 1C. O tipo 1A é o mais fino de todos, tendo fios leves, sem volume e com grande tendência a ter nós.

O tipo 1B mistura fios finos com alguns mais encorpados, sendo mais fácil de ser modelado. Já o tipo 1C conta com fios mais grossos e pesados, dando mais volume ao cabelo.

CABELOS ONDULADOS

Reprodução/Pinterest

Os cabelos ondulados já contam com mais curvatura e, dependendo do tipo de fio, podem ser modelados e finalizados tanto como mais lisos quanto como mais cacheados.

Por se enquadrar entre os lisos e cacheados, estes formam facilmente cachos bem abertos e também podem ser facilmente alisados por secador ou chapinha. Estes são o tipo 2.

É comum que, ao ter cabelo ondulado, alguns problemas como oleosidade na raiz e ressecamento nas pontas possam aparecer. 

Seus 3 subtipos são:

2A: conta com pouca curvatura, sendo quase liso e de textura fina. É mais leve e pode ser diferenciado por pequenas ondas em formato de “S”.

2B: mais pesado e com curvatura um pouco mais fechada, suas ondas são também conhecidas como as ‘beach waves’. Podem apresentar frizz em alguns casos

2C: tem fios de textura grossa, bastante volume e curvatura mais fechada. Apresenta mais balanço por ser mais desprendido da raiz do cabelo.

CABELOS CACHEADOS

Reprodução/Pinterest

Os cabelos cacheados costumam ter formato espiral, mais volume e mais frizz, categorizando o tipo 3.

Suas 3 divisões são os tipos 3A, 3B e 3C. No 3A, o cabelo costuma ser mais pesado, ter definição mediana e bastante movimento.

Já no tipo 3B, o fio é bastante definido, volumoso e simétrico, além de ter cachos mais fechados. Também é comum a presença de raiz ondulada.

Por fim, no tipo 3C, os fios costumam ser finos e os cachos são mais fechados, definidos e grudados um ao outro.

Os cabelos cacheados podem ter maior tendência ao ressecamento, já que a oleosidade da raiz não chega às pontas do fio. Eles também podem ser mais opacos.

CABELOS CRESPOS

Reprodução/Getty Images

O último tipo é, consequentemente, o mais frágil por conta da sua curvatura muito fechada. Assim, eles são mais vulneráveis e podem ser secos e quebradiços.

Seus 3 subtipos são:

4A: para diferenciar o tipo 4A do 3C, é importante que sua textura seja vista com o cabelo molhado. O tipo 4A mantém os cachos, enquanto o 3C tende a ficar mais ondulado. Além disso, a raiz do 4a é cacheada e mais volumosa.

4B: sua espessura é mais fina e densa, além dos fios serem volumosos. Eles nem sempre são naturalmente definidos e o formato dos cachos assemelha-se a um zigue-zague. 

4C: é o mais fino dos 3 subtipos, sendo também o mais frágil. Muito volumosos, são caracterizados pela pouca definição dos cachos, que também tem formato zigue-zague.

Algumas pessoas ainda podem contar com mais de uma curvatura dos fios e até mesmo confundi-las, principalmente quando se trata de cabelos cacheados e crespos.

OS CUIDADOS ESPECÍFICOS

Diferentes tipos de cabelo demandam diferentes tipos de cuidados e produtos. Isso ocorre por que assim como acontece com os tipos de pele, também existe a diferenciação dos tipos de couro cabeludo. Existem aqueles que são mais oleosos e os menos oleosos, sendo importante a escolha do tratamento adequado para cada um desses tipos.

“É importante definir também se existe dano na haste capilar, pacientes com histórico de colorações, alisamentos ou outros tratamentos que levam a perda de massa capilar precisam de uso mais intenso de máscara capilar.”, como diz a dermatologista Dra. Aline Tiemi.

A dermatologista ainda reforça: O formato do fio também é importante na definição dos diferentes tipos de cuidados, [pois] fios mais lisos tendem a tolerar mais o calor (mas mesmo um fio liso pode quebrar, fazer bubble hair e pontas duplas com calor excessivo sem proteção térmica).

“Fios crespos e ondulados também tendem a ser mais ressecados que os lisos, necessitando de mais frequência de hidratação e cuidados.”, completa ela.

Antigamente, o mercado de produtos capilares não era tão extenso quanto hoje e quase não atendia cabelos com curvatura. 

Assim, a finalização consistia em alisamento de cabelos crespos, cacheados e ondulados ou apenas a finalização com creme de pentear.

Produtos como pomadas, gel para finalização, manteigas capilares e até mesmo técnicas de finalização como a fitagem e os baby hairs eram desconhecidos até poucos anos atrás. 

“Por muito tempo, era muito mais fácil achar produtos que ‘disciplinassem’ cabelos tipo 2, 3 e 4 do que produtos que apoiassem a curva do nosso cabelo como é”, conta Beatriz Lima, de 23 anos. 

Beatriz tem o cabelo do tipo 3B mas, antigamente, costumava fazer escova e chapinha ao menos 3x na semana, utilizando apenas protetor térmico. “A saúde do meu fio era péssima, quase não tinha brilho e parecia não crescer porque as pontas quebravam muito.”, completa ela.

Beatriz ainda reforça: “Acho que a importância de existir uma variedade de produtos é mostrar que não existe um padrão de cabelo bonito no mundo. Acredito que essa mudança seja um grande passo para a mudança de um padrão enraizado na nossa sociedade, e representa liberdade para muitas mulheres e homens com cabelos cacheados e crespos.”

CRONOGRAMAS CAPILARES

Os cronogramas capilares são um tipo de “rotina” a se seguir, de acordo com a necessidade de seu fio. Assim, eles não dependem do tipo de cabelo, mas sim da saúde do fio.

A maioria dos cronogramas segue o mesmo modelo, podendo ser diferenciado pelos cabelos: muito danificados, pouco danificados e saudáveis.

Os cronogramas funcionam por uma organização semanal e intercalam os dias entre hidratação, nutrição e reconstrução, de acordo com o estado do fio. Abaixo, temos um exemplo de cronograma capilar:

Reprodução/Blog Chata de Galocha

Cabelos que tendem a ter mais frizz, com fios frágeis, finos e quebradiços também precisam de uma atenção a mais.

Outros também tendem a ser mais opacos e, no mercado, há produtos que recuperam o brilho e a queratina do fio com tratamentos que você pode fazer no chuveiro, sem a necessidade de ir ao salão.

Também há produtos que regulam a oleosidade dos fios, hidratando os cabelos sem exagerar.

Porém, o cuidado na hora de lavar é crucial: evitar o uso de cremes na raiz de cabelos que tendem a ser oleosos pode ajudar nesse controle.

A Dra. Aline ainda reforça: “É importante sempre usar o condicionador. Isso porque o shampoo abre as suas cutículas, deixando-as suscetíveis a quebras e danos […] o condicionador vai fechar essas cutículas, protegendo-as durante a escovação.”

“As máscaras capilares tem como principal função recuperar os fios ressecados e danificados, pois possuem mais ativos hidratantes do que o condicionador, porém não substituem o mesmo por não terem ação no fechamento da cutícula capilar.”

Além disso, cortar os fios periodicamente também é recomendado. Aparar as pontas ajuda a evitar o aparecimento de pontas duplas que podem deixar os fios quebradiços.

Por fim, a alimentação influencia diretamente na saúde capilar. Existem nutrientes específicos que ajudam no crescimento e fortalecimento dos fios como, por exemplo, os minerais (zinco, selênio, cálcio, silício e ferro), além das vitaminas (E, C e do complexo B).

O consumo de líquido também ajuda a manter a pele e os cabelos hidratados, de acordo com o recomendado pela dermatologista.

Clean is the new Black: A beleza das passarelas parisienses

A capital da moda recebeu na última semana (28/02 a 08/03) a Paris Fashion Week e as coleções de Ready-To-Wear de outono de 2022 arrancaram suspiros do público. E não foram somente as roupas que roubaram a cena – a beleza parisiense segue na estética de maquiagens limpas e com ar de naturalidade. 

Entre os 57 desfiles exibidos, as makes clean – e até mesmo modelos sem maquiagem nenhuma – tomavam conta do ambiente. Nomes como Louis Vuitton, Saint Laurent – idealizadas por Pat McGrath e Tom Pecheux respectivamente – e Chloé apostaram nas maquiagens básicas e valorizaram a autoaceitação nas passarelas, 

Saint Laurent FW22
[Imagem: Vogue Runway]
Chloé FW22
[Imagem: Vogue Runway]
Louis Vuitton FW22
[Imagem: Vogue Runway]

Outros desfiles como os da Off-White, Stella McCartney e Dior apostaram no glam básico para seus modelos. Alguns utilizaram detalhes sutis como iluminadores nos olhos e no rosto, como Peter Philips para a Dior. Já a última coleção de Virgil Abloh contou com modelos com as características palavras em aspas da marca no rosto e uma pele crua, assinadas por Cécile Paravina.

Além disso, ainda nessa estética, a beauty artist Isamaya Ffrench trouxe delineados holográficos para as passarelas da Giambattista Valli nessa nova coleção, combinados com peles com efeito molhado.

E se menos é mais, a Balmain e Givenchy também concordam! As joias faciais invadiram a passarela e se destacaram no meio das maquiagens básicas de Lucia Pieroni. Enquanto isso, as joias labiais deram um ar rico e futurista em destaque com a textura dos looks de tons neutros da passarelas da Balmain.

A semana contou também com alguns destaques coloridos. A coleção de Dries Van Noten trouxe de volta o glam dos anos 90 nas modelos com sobrancelhas finas, olhos pretos marcados e batons em tons vermelhos e pretos feitos por Lucy Bridge. E quando falamos de cores, não podemos deixar de fora alguns dos grandes destaques da noite. As passarelas da Valentino trouxeram os tons de rosa à tona assinados por Pat McGrath, enquanto Tom Ford apostou nas bocas e unhas em tons de vermelho vivo, combinando com os looks exibidos.

Podemos esperar que os looks clean ainda dominem as tendências de beleza durante a próxima temporada. A estética ‘fresh’ parisiense tomou conta até mesmo do público dos desfiles e das ruas de Paris durante a semana, dando maior foco para as roupas.

Como driblar a acne no Verão?

Ah, o calor… A estação favorita de muitos. Pele bronzeada, muito sol e aquela marquinha. Porém, com a exposição do rosto ao calor, vem o suor e também a tendência a agravar os cravos e espinhas. A acne é um problema recorrente de 80% dos jovens entre 15 e 25 anos, mas também atinge 30% dos adultos. Ela pode se relacionar a fatores hormonais, genéticos, de idade, clima e muitas outras situações.

A gravidade da acne na pele pode ser classificada em 4 graus, sendo o primeiro resumido a somente cravos; o segundo aos cravos e espinhas pequenas (pústulas); o terceiro às lesões maiores e espinhas mais profundas e inflamadas; e o quarto às grandes lesões císticas e múltiplos abscessos, sendo o caso mais grave.

As causas mais comuns

Segundo a dermatologista Isabela Buzoli, a acne pode surgir pelo aumento de produção de queratina no folículo, desregulação do microambiente hormonal e alguns outros motivos. Causada pela inflamação das glândulas sebáceas, ela também pode surgir pela grande oleosidade da pele. No calor, consequentemente, nosso corpo tende a produzir mais suor e, assim, mais oleosidade.

[Imagem: Shutterstock]

Outra causa comum é a alimentação: a falta de vitaminas presentes em alguns alimentos também pode causar irregularidades na oleosidade da pele. Também podemos incluir nessa lista os fatores hormonais: em períodos como nos dias antes da menstruação, ao fazer uso de anticoncepcionais e até mesmo outros métodos contraceptivos, o surgimento de espinhas na pele pode vir a ocorrer. Utilizar um protetor solar e outros cosméticos e produtos de skincare e maquiagem não indicados para seu tipo de pele também podem causar e agravar os problemas com acne.

[Imagem: Shami Oshun]

Em tempos de pandemia, as máscaras vem sendo grandes causadoras de acne. A dermatologista Isabela nos informa que “a acne causada por máscaras, chamada Maskne, é causada pelo atrito constante do material no rosto. O atrito associado ao abafamento da região causa irritação da pele, sendo uma acne mecânica e não hormonal”.

Pensando nisso, separamos algumas dicas para driblar a acne nessa temporada e ainda assim aproveitar nosso verão com a pele protegida!

Tratamentos

Muitas pessoas optam por tratar suas espinhas e cravos com métodos caseiros: compressas frias e quentes, pasta de dente e máscaras caseiras. Porém, essa solução pode muitas vezes virar um problema. Os componentes da pasta e até mesmo de máscaras feitas em casa podem conter ácidos — que, quando não usados da maneira correta, podem irritar a pele causando alergias e machucados. Então, se puder evitar: evite.

A boa alimentação também é um diferencial quando falamos de pele limpa e saudável. Para contribuir, coma:

  • Frutas ricas em vitamina C, como manga e mamão;
  • Batata doce, rica em vitamina A;
  • Sementes que contêm Ômega 3, como linhaça e chia;
  • Couve, que é muito rico em vitaminas A, B6, C, K, magnésio, cálcio e potássio, além de ação antioxidante e detox;
  • Quantidades equilibradas de proteína.
[Imagem: ISAAA]

Beber bastante água é uma dica batida, mas é sempre bom lembrar que hidratação nunca é demais. Para saber a quantia ideal de água que você deve beber, é só calcular o seu peso por 35 — o resultado indicará quantos mL você deverá consumir por dia.

Realizar a limpeza da pele é uma das maneiras de prevenir a acne. Este processo pode ser feito de forma caseira — com indicação e produtos aprovados por um dermatologista —, porém, é sempre recomendado que seja feito por um profissional. Quando feita de forma regular, diminui o excesso de oleosidade, remove as células mortas e equilibram o PH da pele. Mas não confunda! Lavar o rosto várias vezes ao dia não é o mesmo que realizar uma limpeza e esta prática pode causar um efeito reverso, deixando a pele mais oleosa ainda.

Assim, se quer fazer uma limpeza de pele caseira, você pode limpar o rosto com um higienizador adequado para seu tipo de pele e após a etapa esfoliar o rosto levemente com um produto adequado. De qualquer forma, é muito importante fazer limpezas regularmente e utilizar produtos recomendados por um profissional.

[Imagem: People & Cosmetics]

Também é bom ficar atento à frequência que as limpezas de pele são realizadas; para peles oleosas, o recomendado é que sejam feitas uma vez por mês. Já para peles secas e mistas, uma vez a cada dois meses é o suficiente.

Em casos mais graves, a acne pode ser tratada por meio de medicamentos prescritos por um médico. É o caso da Bárbara Ventieri, 22 anos e estagiária de direito, que lida com a acne desde os 12 anos e já fez tratamento com antibióticos. “Hoje uso um produtinho que se chama ‘Vitanol A’ e também passo um produto da Actine.” relatou ela.

A acne pode atingir pessoas que não são propícias a tê-la: é o caso de Bel Nóbrega, que aos 55 anos, começou a enfrentar a acne. Segundo o relato, ela nunca teve questões com a pele, porém “com o uso de máscaras para covid, comecei a ter acne na região do queixo”. Como tratamento, Bel faz compressas caseiras com chá de camomila ou utiliza de secativo para driblar a oleosidade da pele no verão. Segundo a Dra. Isabela, uma das causas da acne na idade adulta é que “os hormônios andrógenos circulantes atuariam de forma exagerada nas glândulas sebáceas”.

A rotina de skincare também pode ser adaptada para os dias quentes e produtinhos como o protetor solar, por exemplo, pode ter textura seca, não deixando o rosto tão oleoso — e ao mesmo tempo protegido. No mercado de cosméticos há vários tipos com preços acessíveis.

Ah, e não se esqueça! Ainda são tempos de pandemia e se proteger nunca é demais. Ao utilizar máscaras de tecido, certifique-se de que elas estão limpas e lavadas. Se possível, optar por máscaras como a PFF2 e trocá-las a cada duas ou três horas ou quando estiverem úmidas.