Por dentro dos produtos multifuncionais de beleza

Os cuidados com a beleza já fazem parte do dia a dia, e para isso, a utilização de diversos produtos se tornou algo natural para muitos. E seria um sonho conseguir manter a rotina com mais rapidez, praticidade e produtos de bom custo benefício.

Para ajudar nessa missão, cada vez mais as marcas apostam no lançamento de produtos multifuncionais. Disponíveis para cabelo, rosto, corpo e maquiagem, são soluções mais utilitárias e sustentáveis, que alinham múltiplas funções e ações – normalmente presentes em 2 ou mais produtos – e diferentes ativos em um único cosmético, além de contarem com novas tecnologias agregadas.

Vale apostar em cosméticos multifuncionais?

A ideia não é nova, e é provável que você já tenha utilizado, mesmo sem perceber. Mas se fortaleceu na necessidade em priorizar saídas mais eficientes, funcionais e menos complicadas. Soma-se a isso o  aumento nas buscas de ideias compatíveis com  conceitos de compra inteligente, negócios com impacto e minimalismo, já que o consumo desse formato diminui produção de  embalagens, consumo exacerbado de beauty products , além da vantagem financeira que um 2 em 1 oferece, tanto para o produtor – que otimiza aos custos de produção de dois ou mais cosméticos – quanto ao consumidor. Todos esses fatores mostram que a tendência é o aumento na demanda de multifunções e que vale sim, experimentar.

É sempre importante , porém, se atentar aos ativos combinados  e compreender as vantagens e desvantagens que cada um deles traz a você. Entender se o cosmético realmente funciona para seu tipo de corpo, rosto ou cabelo, e até mesmo se  possível combinação com mais soluções pode causar efeito reverso ou anular os benefícios. Aliar o uso a consultas com especialistas é sempre a melhor opção.

Selecionamos alguns itens incríveis para conhecer:

Óleo Multifuncional Kálice Inoar Cosméticos

O produto alia vitamina E com 7 óleos vegetais e pode ser aplicado no cabelo (sozinho ou misturado ao shampoo, condicionador ou máscara), rosto e corpo. R$72,90

Sérum Uniformizador Sallve

Usado para o tratamento de hiperpigmentação de todos os níveis e em todos os tipos de pele (inclusive as mais sensíveis). Eficaz contra olheiras, manchas e linhas finas, pode ser usado em corpo e rosto. R$89,90

Base Tint Alta Cobertura Quem Disse, Berenice?

Base que garante 12 horas de duração. Além de corrigir a pele, tem fórmula hidratante, que previne oleosidade, protege dos raios solares e luzes de aparelhos eletrônicos. R$74,90

Palette Multifuncional Intense O Boticário

Paleta com 8 tons rose acetinados, que podem ser utilizados com sombra, blush e bronzer. R$89,90

Creme de Limpeza Derco Sensi Care

Indicado para todos os tipos de cabelo e sem sulfatos e parabenos, substitui shampoo e condicionador. Limpa, hidrata, produto e acalma cabelos mais sensíveis. R$116,30

Creme Multifuncional Yamasterol

Sem parafinas e silicones, pode ser usado por todos os tipos de cabelo como creme sem enxágue, co-wash, pós shampoo e misturado com máscaras e óleos hidratantes. R$4,95

Bastão Multifuncional com Cor Ollie

Protetor solar em bastão que protege e cuida da pele, enquanto oferece cobertura de manchas, inclusive de melasma. R$129,00

Stick Tudo Vic Beaute

Disponível em 5 cores e, com textura cremosa, funciona como batom, blush e sombra e possibilita diversas camadas de aplicação, ara resultado mais ou menos sutil. R$129,00

Lápis Delineador Avon

Colorido e versátil, o produto pode ser utilizado nos olhos ou na boca, e permite efeito marcado e esfumado. É resistente a água, suave, hidratante e não tem fragrância. R$10,99

Autoestima e beleza no Dia dos Namorados

Em datas comemorativas, é comum que as pessoas curtam fazem produções e celebrar em grande estilo, e no Dia dos Namorados, isso não é diferente. Para muitas, um dia de selfcare nunca é demais e nós da Frenezi pensamos o mesmo. Porém, o problema mora quando este autocuidado tem como única intenção agradar seu amado ou amada.

Não nos leve a mal: não há problemas em agradar a quem você ama, mas quando há um exagero em mudar sua aparência por outra pessoa que não seja você, sua autoestima pode ser afetada. Em muitos filmes e séries como Sex And The City (1998), Bridgerton (2020) ou até mesmo nos contos de fadas, as personagens principais sempre estão em busca de seu grande amor – e sua beleza também está muitas vezes ligada a o que esta terceira pessoa pensa. E é aí quando a autoestima pode começar a ficar abalada. 

“Eu sou alguém que está procurando por amor. Amor de verdade. Ridículo, inconveniente, consumidor, não-consegue-viver-sem-o-outro tipo de amor” Reprodução: HBO

A autoestima

Em diversos comerciais de beleza no ‘mês dos namorados’, a linha de raciocínio é a mesma, de que você precisa de alguém amado neste dia. Porém, em questões de autocuidado, o dia dos namorados é tanto para quem está em algum relacionamento quanto para quem está solteiro: não há motivos para ficar para baixo e não cultivar o amor próprio se você não tem algum interesse romântico rolando.

Talita Belém, 36, nos conta que adora se arrumar pro dia dos namorados. “Acho que é uma data especial, que você compartilha com quem você está todos os dias e, por ser uma vez ao ano (como as outras datas), vale fazer um esforcinho a mais pra quem a gente gosta e, no final, nem se torna um esforço.”

Maria Julia, 20, compartilha conosco um pouco dessa visão dos dias atuais: “Eu acho que, querendo ou não, no dia dos namorados as mulheres querem se sentir mais bonitas, comprar uma lingerie especial, essas coisas. Acho que tem muito disso sim. Eu não me arrumaria toda (hoje em dia). Acho que isso é mais em começos de namoro, em casais que não têm tanta intimidade.” 

O que é o caso de Daniela Santos, 26, que costumava se arrumar sempre em seu antigo namoro. “Eu me produzia toda, sempre pra agradar ele. Virou um ciclo vicioso, não me aceitava natural, sem maquiagem”, diz ela. “Chegava o dia dos namorados, a gente costumava sair, então eu sempre fazia as unhas antes, me maquiava em casa, arrumava cabelo, pensava numa roupa e às vezes até comprava uma nova! Comecei a não ficar mais desarrumada perto dele.” completa.

De pouco em pouco, a autoestima pode ir acabando nesses casos e começa a ser difícil de recuperá-la – mas nunca impossível! Por isso, pensamos numa rotina ideal para quem quer celebrar o amor próprio – ou até mesmo voltar a tê-lo – por meio da beleza neste dia especial.

Cuidando de seu grande amor: você!

Reprodução: Instagram (@badgalriri)

Primeiro: é sempre bom lembrar-se que este dia celebra o amor e, dentre todas as formas de amor, também está o amor próprio. Seja para quem vai ficar em casa ou quem irá sair para algum date ou festa, começar o dia com um banho quente e relaxante ajuda a aumentar o astral. Fazer uma hidratação nos cabelos, esfoliar a pele, utilizar óleos de banho e máscaras faciais: tudo vale no skincare. Após o banho, se presenteie com uma massagem com seu creme favorito, deixando a pele sempre macia e cheirosa.

Reprodução: Pinterest

Para as que são do time de se produzir: não tenha medo de ser feliz. Maquiagens temáticas ou básicas, apostando no novo – como um chamativo batom vermelho, vinho ou preto (alô, Rihanna!) – ou na produção que você mais gosta podem te ajudar a se sentir mais bela do que nunca. Testar um novo penteado, uma nova nail art enquanto ouve alguma de suas músicas favoritas pode ser um ótimo ritual para distrair o corpo e a mente.

Por fim, agora que você está pronta, caso você decida ficar em casa, prepare um prato especial, uma sobremesa gostosa e curta sua ótima companhia ao assistir um filme. Ou se você é do time das que gostam de sair: partiu! Seja sozinha, com amigas ou alguém especial, você estará exalando amor próprio e qualquer lugar irá se tornar incrível. E aí, quais seus planos pro dia dos Namorados?

O autocuidado em diferentes culturas

Os ideais de beleza ao redor do globo podem mudar, mas além de “o que” é considerado belo, a forma de atingir esse ideal também pode variar. Sejam os produtos utilizados, a ordem de aplicação deles ou a maneira de conduzir os rituais de skincare, quando o assunto diz respeito aos hábitos de beleza adotados em diferentes culturas, uma coisa é unânime: a diferença.

É claro que os hábitos têm a intenção de desenvolver ou preservar características que se encaixem nos padrões de beleza de cada sociedade, mas existem alguns que ultrapassam as barreiras culturais e se tornam verdadeiros fenômenos reproduzidos em todo o mundo. Podemos citar o caso da rotina de skincare de alguns países do continente asiático, como da Coreia do Sul e do Japão, chamadas de K-beauty (de “korean beauty”) e J-beauty (“japanese beauty”), respectivamente. O ideal desses países envolve peles quase imaculadas e muito bem cuidadas, que remetem à inocência e à elegância prezadas nessas regiões, por isso, os cuidados adotados por lá se tornaram uma febre internacional. 

No continente asiático, como já citado, a K-beauty faz referência à rotina de skincare adotada na Coreia do Sul. A mais famosa rotina que rodeou o mundo é composta por uma série de etapas que giram em torno de 10 passos. Começando pela dupla limpeza (que envolve a remoção das impurezas acumuladas ao longo do dia com óleo e com uma espuma de limpeza, respectivamente), passando pela técnica de camadas, chamada de layering, em que ocorre a aplicação de uma série de produtos como uma loção (que equivale ao que conhecemos como tônico), uma essência (um concentrado de ativos que trata a pele de acordo com a necessidade, seja ela hidratação, nutrição, clareamento, etc.) e, por fim, uma emulsão, que tem a função de hidratar e é tido como um “creme finalizador”. E ainda é importante mencionar que as áreas mais sensíveis, como a região dos olhos, recebem um cuidado especial, a fim de evitar olheiras, “bolsas” e rugas. Todas essas etapas contribuem para uma pele sempre impecável, iluminada e com aparência saudável.

Já na Europa, os cuidados existem, porém de forma mais simplificada e prática. A intenção da mulher europeia não é aparentar ser mais jovem do que é, mas sim ser a melhor versão de como se está. Uma pele sem manchas, bem hidratada e cuidada é mais do que bem-vinda, mas não sem expressões. Em entrevista concedida à Harper’s Bazaar e publicada no site da revista, a médica dermatologista Cinthia Sarkis, que viveu na Espanha por mais de uma década, afirmou que esse resultado de beleza europeia é atingido por meio de uma rotina baseada na filosofia já conhecida do “menos é mais”: “algumas visitas ao médico, uso adequado de fotoprotetor, tratamentos feitos esporadicamente em consultório e uso comedido dos cosméticos adequados”. Simples assim. Além disso, como já mencionado na matéria sobre os padrões de beleza em cada cultura, a beleza europeia tem por base a discrição, a valorização da casualidade, por isso é compreensível que os hábitos de beleza adotados por lá sigam a mesma linha.

Reprodução/Pinterest

Quando as rotinas americanas são colocadas em questão, a influência estrangeira é notável nos hábitos relacionados à beauté. Ao mesmo tempo em que há uma grande disponibilidade de produtos para que se construa uma rotina tão complexa quanto a asiática, é possível observar também a preferência por produtos que reúnam vários ativos que proporcionem diversos cuidados de uma vez só, o que remete à praticidade adotada na Europa, fato que pode estar relacionado à vida acelerada, ao famoso “american way of life”. No entanto, um ponto que se destaca na rotina de cuidados vista nos países do continente americano é a alta taxa de adesão por procedimentos mais profundos e invasivos. Peelings, lasers, preenchimentos, aplicação de toxina botulínica, são constantes quando são feitos questionamentos no sentido de “como manter a beleza”.

Reprodução/Pinterest

Enfim, da mesma forma como os ideais de beleza sofrem influência da cultura a que remetem, os hábitos adotados para chegar nesses ideais também são transmitidos por meio de crenças, costumes e perpetuados com base na confiança que se tem nos resultados. Uma boa rotina de cuidados vai muito além da escolha de produtos, ela também envolve e reproduz traços e heranças culturais.

Como os óleos essenciais podem trazer benefícios para a pele?

Entre os diversos tipos de skincare e produtos para a pele e corpo disponíveis no mercado, a prática de utilizar óleos no dia-a-dia vem se tornando muito comum. O uso de óleos essenciais e vegetais está tão em alta que até a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) reconheceu a aromaterapia como uma prática terapêutica de bem-estar complementar a outros tratamentos. Mas como ela funciona?

AROMATERAPIA

O processo da aromaterapia consiste no uso de óleos concentrados voláteis (os essenciais, com nome derivado da sua essência) e gorduras (óleos vegetais) extraídos de plantas, cujas essências promovem o bem estar e saúde. A técnica consiste em quatro etapas: manutenção da boa forma física, alimentação consciente, relaxamento profundo e direcionamento dos pensamentos. Porém, a aromaterapia tem que ser recomendada por profissionais médicos, aromaterapeutas, psicoterapeutas e profissionais de estética como massagistas. 

As principais formas de utilização destes óleos são os usos aromáticos e tópicos. O uso interno é feito em alguns países e culturas, porém ainda não é permitido no Brasil. Além disso, eles podem ser utilizados em:

  • massagens;
  • banhos e escalda-pés;
  • colares aromáticos;
  • inalação.

Os óleos essenciais podem ser utilizados por meio de inalação, colocando algumas gotas na mão, e após esfregá-las, inspirando seu aroma; ou por uso tópico, sendo diluídos em óleos vegetais e usados para massagens corporais. 

Massagem com óleo essencial [Imagem Shutterstock]

Esfregá-los em partes do corpo como peito, pescoço, pulso, testa, mãos e pés também podem ajudar a relaxar a pele (nunca em contato com a pele, mas sim diluídos em óleos vegetais, por exemplo, para evitar alergias). A dermatologista Dra. Aline Tiemi diz que:

“O óleo essencial nunca deve ser usado puro na pele pois ele pode irritar, causar alergias, e até mesmo pigmentações como é o caso dos óleos cítricos (principalmente associado à exposição solar). […] Seu uso pode ser juntamente com o restante da rotina de cuidados da pele e cabelos, basta acrescentar algumas gotas do óleo essencial nos produtos de uso diário (limpadores, hidratantes, máscara capilar, shampoo ou condicionador)”.

“Os rótulos desse tipo de produto nem sempre evidenciam todos os componentes da fórmula, pois não há uma regulamentação para isso. Além disso, o objetivo principal dos processos de extração de óleo essencial é capturar aromas. Sendo assim, a maioria dos óleos não deve ser ingerida.” Completa ela.

A PRÁTICA PODE SER REALIZADA EM CASA?

Sim. Os óleos utilizados podem ser encontrados no mercado e você pode fazer ambos os tipos de utilização. Algumas pessoas ainda preferem realizar a inalação por meio de difusores, aparelhos que são feitos especialmente para o uso de óleos essenciais. A aromaterapia também pode ser feita no ambiente, como velas de aromaterapia (que contêm óleos essenciais na cera) ou até mesmo diluídos em água e borrifados no quarto ou em seu travesseiro.

Aromaterapia com velas a base de óleos essenciais. [Imagem Shutterstock]

Outros métodos como adicionar os óleos numa panela com água fervente e inalar o vapor aromatizado ou colocar algumas gotas em sais de banho também são muito utilizados. Porém, a Dra. Aline Tiemi adverte:

“Com relação a seu uso não há dúvidas que trazem uma sensação de bem-estar, no entanto é importante reforçar a falta de estudos de qualidade sobre seus efeitos. Existem diversos estudos, mas com avaliações subjetivas, poucos pacientes, pouca padronização, entre diversos outros problemas. […] O importante é que sejam bem indicados e que sejam sempre usados como um adjuvante no tratamento indicado pelo médico, principalmente pacientes com quadros de doenças de pele mais graves.” 

Assim, é sempre bom ter uma recomendação profissional antes de realizar os procedimentos.

OS ÓLEOS ESSENCIAIS MAIS COMUNS E SUAS PROPRIEDADES

“Os óleos essenciais são basicamente extratos vegetais concentrados obtidos por prensagem ou destilação a vapor de flores, folhas, cascas, frutos ou sementes.” diz Aline. Abaixo, ela lista alguns dos óleos essenciais existentes e suas propriedades:

Óleo essencial de lavanda. [Imagem Shutterstock]
  • Lavanda:  ansiolítica e analgésica 
  • Melaleuca: anti microbiana, anti fúngico, reduz oleosidade
  • Gerânio: Anti-inflamatório.
  • Citronela: Repelente de insetos.
  • Rosa Mosqueta: hidratação.
  • Alecrim: Antioxidante e antimicrobiano.
  • Lemon grass: Anti séptico, tônico e estimulante.
  • Bergamota: despigmentante.
  • Camomila: Calmante e anti-inflamatório.

BENEFÍCIOS DO USO DOS ÓLEOS ESSENCIAIS

Os principais benefícios da utilização de óleos essenciais estão na promoção do equilíbrio físico, mental, espiritual e emocional de quem realiza o processo de aromaterapia.

O alívio de sintomas como estresse e ansiedade também pode ser feito por meio dos óleos, assim como o alívio da insônia, por terem efeitos calmantes. Porém, cada óleo se adapta diferentemente no corpo de cada pessoa, podendo funcionar melhor para alguns do que para outros. Por isso, é importante analisar o desempenho do óleo de acordo com seu uso.

É importante certificar-se de que os óleos sejam 100% puros e não apenas aromas, pois os segundos funcionam apenas como perfumes e são sintéticos, não tendo ligação nenhuma com o bom estar, diferentemente dos óleos essenciais puros.

Além do corpo e bem estar, os óleos essenciais podem também fazer bem aos fios. Alguns óleos podem auxiliar no crescimento capilar de forma saudável, nutrindo a raiz. Além disso, o óleo de lavanda pode acalmar e hidratar o couro cabeludo por conta de suas propriedades cicatrizantes e antimicrobianas.

O prazo de validade da beleza: por que as pessoas estão com medo de envelhecer?

Nas décadas de 1990 e 2000 muitos filmes de dramas adolescentes, apresentavam ao menos uma cena que retratava algum jovem desejando ser, ou ao menos aparentar ser, mais velho por algum motivo. Quem não se lembra do clássico De Repente 30 com Jennifer Garner e Mark Ruffalo? 

Imagem: Reprodução/Veja

Fosse pela autoridade, respeito, sabedoria e reverência que era concedida aos mais velhos ou simplesmente pelo fato de que “ser adulto” era associado à possibilidade de possuir mais liberdades, envelhecer era como se fosse um troféu. Um selo de experiência e competência. No entanto, o que se tem observado nos últimos anos, é uma tendência contrária, pautada no intuito de voltar no tempo com a aparência. É como se envelhecer tivesse deixado de ser o curso natural da vida e se transformado em uma doença a ser combatida. A comunidade passou a ser movida pelo desejo de ser como Benjamin Button.

Em um contexto marcado pela volatilidade, transformação constante e que preza muito a flexibilidade e a capacidade de adaptação, tudo o que é considerado antigo é associado a desatualização e, consequentemente, preterido e ignorado. A tendência pela exaltação da juventude pode ter como um de seus pilares o fato de que esta parcela da sociedade é, aparentemente, a detentora do conhecimento necessário para se compreender o mundo atual. No passado, envelhecer era o desejo, porque significava passar a saber e entender o que os mais novos não sabiam, porém, nos dias de hoje, qual seria o motivo de desejar isso sendo que são os mais jovens os conhecedores do funcionamento das tecnologias que imperam no mundo globalizado contemporâneo?

Imagem: Reprodução/Onze.com

Nesse sentido, o desejo por se manter jovem passou a nortear não apenas os comportamentos das pessoas (que tendem a ficar ligeiramente mais infantilizados com a intenção de parecer cool e descolado), mas a guiar suas escolhas em relação à sua estética também. A aparência é considerada a maior responsável por “denunciar” os anos de vivência e é o primeiro alvo de ataques quando se tenta desmoralizar e desconsiderar alguém com base na idade (prática denominada etarismo); por essa razão, à beleza passa-se a atribuir uma espécie de prazo de validade que faz com que as pessoas pensem que não serão mais aceitas, nem belas no mundo atual a partir do momento que atingirem uma idade mais “avançada”.

De acordo com a psicóloga Natália Tozo, as pessoas têm sentido tanto receio em envelhecer, porque a sociedade não valoriza o processo de envelhecimento, veem os idosos como pessoas que não são mais produtivas e não valorizam sua história e seus saber. “Com a tecnologia veio o acesso rápido ao consumismo e a ideia de padrão de beleza. A indústria veio com muitas novidades e promessas de uma imagem de que ficar mais jovem traz mais aceitação. […] Claro que se cuidar é importante e faz bem para o ser humano, mais nada em excesso é saudável nem para a mente, nem para o físico.”, ressalta a profissional.

Sendo assim, inicia-se uma busca intensa por maneiras que mantenham a imagem livre de rugas, linhas de expressão ou qualquer tipo de marca que possa “entregar a idade”. O investimento cada vez mais intenso na busca pelo corpo perfeito e a vontade de se inserir em um dos muitos padrões sociais, comportamentos esses que representam a manifestação do angústia em envelhecer: “o medo também vem acompanhado de sintomas de ansiedade com alteração do humor, intercalando dias mais eufóricos com dias mais deprimidos, excesso de cobrança pessoal, tensão e uma sensação de que ‘se eu não der conta, sou um fracasso”.

Seguindo esse ritmo, procedimentos invasivos e não invasivos, suplementos e até mesmo medicações para impedir que o corpo externe os sinais começam a ser frequentes nos planejamentos das pessoas. No entanto, é importante entender quais são, de fato, esses sinais e como tratá-los corretamente e dentro do necessário. A médica dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Dra. Amanda Vilela destaca que os primeiros sinais que indicam a chegada da idade se manifestam a partir dos 30 anos, quando a produção de colágeno começa a diminuir: “A partir dos 30 anos, diminuímos nossa produção intrínseca de colágeno e iniciamos o processo de degradação dos fibroblastos. […] Começamos a observar uma diminuição leve da espessura da pele, e as marcas de expressão também já se iniciam.”.

Todavia, o processo de envelhecimento, apesar de natural, pode ser feito com mais qualidade que, a dermatologista explica ser envelhecer com as suas características, mantendo os seus padrões e de uma forma natural, “É as pessoas te observarem e falarem: “Você está tão bem, igual a quando te conheci! O tempo só te faz bem!”. Dessa forma, alguns cuidados podem ser tomados para que o avanço da idade torne-se mais leve: “Primeiramente, ter um dermatologista de confiança, um especialista com olhos treinados, técnica e know-how para saber o que indicar é fundamental. Deve-se investir em procedimentos que estimulem colágeno como Ultraformer3, Bioestimuladores, fios de PDO e pontos de preenchimento com ácido hialurônico e a toxina botulínica!”, recomenda Dra. Amanda Vilela.

Imagem: Reprodução/Hypeness

É válido destacar que, apesar de existirem meios que permitam que o envelhecimento ocorra com mais qualidade e menos impacto, ele ainda assim é um acontecimento orgânico, inato, por isso, todo receio exagerado em relação a ele precisa ser questionada e observada com atenção. De acordo com a psicóloga Natalia, o tratamento dessas questões deve vir, especialmente, por meio da sociedade, que precisa mudar a mentalidade de que a felicidade é um sentimento próprio da juventude: “envelhecer é um processo natural e precisa começar a ser aceito e respeitado, principalmente por quem está nessa fase. A aceitação e o compromisso começam com o sujeito e o olhar dele para consigo mesmo, para que ele não deixe que o olhar do outro o defina […] Sua saúde mental precisa estar em equilíbrio com seu corpo”.

Por fim, é importante ressaltar que valorizar os mais velhos não significa desmerecer o conhecimento da juventude dos dias de hoje, apenas não deixar que as inseguranças fundamentadas em padrões distorcidos impeçam a sociedade de apreciar o avanço da idade e todas as experiências e aprendizados que cada etapa pode trazer. A beleza não possui um prazo de validade, mas sim estágios de maturidade que são resultado da constante transformação natural.

Geladeira de Skincare: para que serve, como funciona e como usar

Você já deve ter visto alguma influenciadora exibindo a sua geladeira de skincare por aí, afinal, o item se tornou queridinho das gurus de beleza. Apesar de seu preço alto, a geladeira se tornou um dos itens mais desejados pelos amantes de beleza, e além de ser muito fofa, também é uma ótima adição para a rotina de cuidados pessoais. O produto ajuda a prolongar o tempo de vida dos produtos, melhorar sua funcionalidade e trazer vários outros benefícios.

Para que serve:

A geladeira de skincare serve para cumprir a mesma função de uma geladeira comum: resfriar os produtos nela armazenados. A refrigeração de produtos de beleza é importante pois a temperatura baixa inibe a proliferação de fungos e bactérias, que podem ser ocasionadas com o calor, após a abertura do frasco. Além disso, o armazenamento dentro delas também mantêm os produtos longe da exposição solar – outro fator que pode encurtar o tempo de vida do produto.

O uso da geladeira traz benefícios não só para os dermocosméticos em si, mas também para a pele. A temperatura gélida dos produtos ajuda a calmar a pele, fechar os poros e reduzir as linhas de expressão, além de ser super refrescante. Acessórios de beleza, como rolinhos faciais e gua sha, são ótimos produtos para armazenar na geladeira, pois funcionam muito melhor quando resfriados.

Rolinho facial e Gua Sha. Produtos de massagem facial que ajudam na absorção de produtos e na redução do inchaço. Funcionam ainda melhor quando resfriados.
[Imagem: Reprodução/Pinterest SHEIN]

Como funciona:

Uma geladeira de skincare por dentro.
[Imagem: Kylie Cosmetics]

A maior diferença entre a geladeira de skincare e a geladeira tradicional é o seu controle de temperatura. Uma geladeira comum costuma resfriar em níveis abaixo de 10ºC, o que poderia prejudicar alguns produtos dermatológicos. Enquanto isso, a maioria das geladeiras de skincare atinge temperaturas de 10ºC a 15ºC, garantindo o armazenamento dos produtos em segurança.

Independente da marca, o produto também pode ser aquecido, caso haja necessidade. Seus tamanhos variam entre 4L e 4,5L, suportando uma boa quantidade de produtos – algumas ainda possuem grades internas removíveis ou nas portas para otimizar o armazenamento. Seu funcionamento geral é bem simples, exigindo apenas que o usuário a conecte em uma rede de energia e ligue-a no modo desejado.

Como usar:

Como dito acima, graças ao controle de temperatura da geladeira, todos os produtos podem ser seguramente guardados nela. Entretanto, não cabem todos os produtos de skincare dentro dela de uma vez, né? Os produtos mais indicados para isso são especialmente ácidos, clareadores, fórmulas manipuladas e Vitaminas C – substâncias que se desestabilizam mais facilmente em temperaturas altas. Outra opção são os cremes e hidratantes de efeito calmante, pois trazem um efeito ainda mais refrescantes quando frios.

Não há regras quando se refere a geladeira de skincare, mas é importante lembrar de não deixá-la ligada o tempo todo, pois consome energia (e faz um barulho levemente desagradável). Procure ligá-la por volta de 40-30 minutos antes de usar os produtos, garantindo seu funcionamento e sendo gentil com o planeta (e com a sua conta de luz!).

Onde comprar:

Sabemos que o produto não é um dos mais acessíveis do mercado, por isso selecionamos geladeiras de skincare de várias marcas para que você possa comprar aquela que apresenta o melhor custo benefício para o seu bolso!

Laxmi Beautycooler: R$490 – R$520
Multilaser Retrô: R$420
Océane: R$430 – R$500
Bruna Tavares: R$650
Blink Lab X Lala Rudge: R$500 – R$560

Geladeiras de Skincare disponíveis no mercado brasileiro.

E se você não consegue adquirir nenhuma delas no momento, não se preocupe! A geladeira de skincare é apenas um elemento adicional à sua rotina, mas não é essencial – basta que você tenha os devidos cuidados com cada produto.

8 mitos e verdade sobre skincare que você precisa saber

Os produtos de beleza fazem parte do dia a dia das mulheres há muito tempo. Mas foi há cerca de três anos que eles ganharam um novo sentido nas prateleiras com a chegada do skincare no Brasil. Agora, além de usá-los diariamente, é preciso também seguir uma ordem: as etapas da rotina. 

A novidade logo se popularizou entre as principais blogueiras dos países e vídeos compartilhando as rotinas são virais em aplicativos como Instagram e TikTok. Essa popularidade incentivou ainda uma nova categoria de produtos: os dermocosméticos. 

E com tanta gente falando sobre skincare, as marcas não perdem tempo e investem cada vez mais nessa linha, desenvolvendo fórmulas para os mais diversos tipos de pele e queixas. Com isso, cresce também o número de pessoas testando e indicando produtos, rituais de beleza, formas de uso e por aí vai. 

Mas será que tudo que falam (e compartilham) na internet sobre skincare é realmente verídico? Para desvendar os principais mitos e verdade a respeito do tema, conversamos com a dermatologista Carolina Milanez, especialista em cosmitaria e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Confira!

Quanto mais produtos usar, melhor! Será que é verdade?
[Imagem: Reprodução Pinterest]

1 – Faz mal lavar o rosto com água quente

VERDADE! A água quente tira a proteção natural da pele e causa ressecamento. Isso ocorre porque a água quente remove o manto hidrolipídico (a barreira protetora da epiderme), podendo gerar a descamação da pele ou até mesmo elevar a produção de sebo.

2 – Comer chocolate dá espinhas

VERDADE! O que causa a espinha é o açúcar e a gordura presentes no chocolate, que estimulam a produção de sebo nas glândulas sebáceas. Portanto, chocolates com alto índice glicêmico (ou seja, com açúcar) podem, sim, causá-las.

3 – Pele oleosa não precisa de hidratação

MITO! Mesmo as peles oleosas e acneicas precisam de hidratação, sim! Nesses casos, temos que adequar o tipo de hidratante: toque seco, efeito mate e não comedogênico (que significa que não entope os poros, não causa cravos, etc).

4 – Protetor solar ajuda a evitar manchas na pele 

VERDADE! O uso de protetor solar evita não só o surgimento de manchas, como também o envelhecimento precoce e o câncer de pele. Assim, se proteger do sol adequadamente é a melhor maneira de evitar as manchas. 

5 – O tratamento anti-idade deve começar aos 25 anos 

VERDADE! A partir dos 25 anos a taxa de colágeno começa a diminuir e os primeiros sinais de envelhecimento começam a aparecer, por isso já nessa idade deve-se iniciar os tratamentos preventivos. 

6 – Quanto mais produtos na rotina de skincare, melhor! 

DEPENDE! Um skincare completo melhora a qualidade da pele desde que a escolha dos produtos seja adequada ao tipo de pele e para as funções que a pessoa deseja. Por exemplo: lavar o rosto, hidratar, passar protetor solar é o básico para todo mundo, mas aliar essas etapas a produtos como antioxidantes, anti-envelhecimento, anti-acne e clareadores, de forma individualizada, podem enriquecer e potencializar a rotina. Entretanto, é de extrema importância consultar um dermatologista antes de acrescentar novos produtos na rotina!

7 – Pele seca precisa de hidratantes mais pesados

MITO! A pele seca precisa de hidratantes mais potentes e com mais propriedades emolientes. O tipo usado ajuda na parte sensorial e na formação de uma barreira, como uma oclusão para retardar a perda de água. Mas escolher entre loção (mais líquida) ou creme (mais encorpado) é algo pessoal e que não impactará no resultado desde que o hidratante seja de qualidade e recomendado por um profissional especializado. 

8 – A esfoliação facial não deve ser feita diariamente 

VERDADE! A esfoliação deve ser feita 1 vez na semana, ok? Esfoliar a pele diariamente pode machucar e gerar um atrito que, em algumas pessoas, causa mancha pela reação inflamatória. É importante também escolher um produto suave e adequado para o seu tipo de pele. Lembre-se: a esfoliação vai remover as células mortas que estão na superfície da pele, ou seja, não adianta colocar força na hora do processo na intenção de aumentar essa remoção, pois não adiantará, ela é superficial! 

Como driblar a acne no Verão?

Ah, o calor… A estação favorita de muitos. Pele bronzeada, muito sol e aquela marquinha. Porém, com a exposição do rosto ao calor, vem o suor e também a tendência a agravar os cravos e espinhas. A acne é um problema recorrente de 80% dos jovens entre 15 e 25 anos, mas também atinge 30% dos adultos. Ela pode se relacionar a fatores hormonais, genéticos, de idade, clima e muitas outras situações.

A gravidade da acne na pele pode ser classificada em 4 graus, sendo o primeiro resumido a somente cravos; o segundo aos cravos e espinhas pequenas (pústulas); o terceiro às lesões maiores e espinhas mais profundas e inflamadas; e o quarto às grandes lesões císticas e múltiplos abscessos, sendo o caso mais grave.

As causas mais comuns

Segundo a dermatologista Isabela Buzoli, a acne pode surgir pelo aumento de produção de queratina no folículo, desregulação do microambiente hormonal e alguns outros motivos. Causada pela inflamação das glândulas sebáceas, ela também pode surgir pela grande oleosidade da pele. No calor, consequentemente, nosso corpo tende a produzir mais suor e, assim, mais oleosidade.

[Imagem: Shutterstock]

Outra causa comum é a alimentação: a falta de vitaminas presentes em alguns alimentos também pode causar irregularidades na oleosidade da pele. Também podemos incluir nessa lista os fatores hormonais: em períodos como nos dias antes da menstruação, ao fazer uso de anticoncepcionais e até mesmo outros métodos contraceptivos, o surgimento de espinhas na pele pode vir a ocorrer. Utilizar um protetor solar e outros cosméticos e produtos de skincare e maquiagem não indicados para seu tipo de pele também podem causar e agravar os problemas com acne.

[Imagem: Shami Oshun]

Em tempos de pandemia, as máscaras vem sendo grandes causadoras de acne. A dermatologista Isabela nos informa que “a acne causada por máscaras, chamada Maskne, é causada pelo atrito constante do material no rosto. O atrito associado ao abafamento da região causa irritação da pele, sendo uma acne mecânica e não hormonal”.

Pensando nisso, separamos algumas dicas para driblar a acne nessa temporada e ainda assim aproveitar nosso verão com a pele protegida!

Tratamentos

Muitas pessoas optam por tratar suas espinhas e cravos com métodos caseiros: compressas frias e quentes, pasta de dente e máscaras caseiras. Porém, essa solução pode muitas vezes virar um problema. Os componentes da pasta e até mesmo de máscaras feitas em casa podem conter ácidos — que, quando não usados da maneira correta, podem irritar a pele causando alergias e machucados. Então, se puder evitar: evite.

A boa alimentação também é um diferencial quando falamos de pele limpa e saudável. Para contribuir, coma:

  • Frutas ricas em vitamina C, como manga e mamão;
  • Batata doce, rica em vitamina A;
  • Sementes que contêm Ômega 3, como linhaça e chia;
  • Couve, que é muito rico em vitaminas A, B6, C, K, magnésio, cálcio e potássio, além de ação antioxidante e detox;
  • Quantidades equilibradas de proteína.
[Imagem: ISAAA]

Beber bastante água é uma dica batida, mas é sempre bom lembrar que hidratação nunca é demais. Para saber a quantia ideal de água que você deve beber, é só calcular o seu peso por 35 — o resultado indicará quantos mL você deverá consumir por dia.

Realizar a limpeza da pele é uma das maneiras de prevenir a acne. Este processo pode ser feito de forma caseira — com indicação e produtos aprovados por um dermatologista —, porém, é sempre recomendado que seja feito por um profissional. Quando feita de forma regular, diminui o excesso de oleosidade, remove as células mortas e equilibram o PH da pele. Mas não confunda! Lavar o rosto várias vezes ao dia não é o mesmo que realizar uma limpeza e esta prática pode causar um efeito reverso, deixando a pele mais oleosa ainda.

Assim, se quer fazer uma limpeza de pele caseira, você pode limpar o rosto com um higienizador adequado para seu tipo de pele e após a etapa esfoliar o rosto levemente com um produto adequado. De qualquer forma, é muito importante fazer limpezas regularmente e utilizar produtos recomendados por um profissional.

[Imagem: People & Cosmetics]

Também é bom ficar atento à frequência que as limpezas de pele são realizadas; para peles oleosas, o recomendado é que sejam feitas uma vez por mês. Já para peles secas e mistas, uma vez a cada dois meses é o suficiente.

Em casos mais graves, a acne pode ser tratada por meio de medicamentos prescritos por um médico. É o caso da Bárbara Ventieri, 22 anos e estagiária de direito, que lida com a acne desde os 12 anos e já fez tratamento com antibióticos. “Hoje uso um produtinho que se chama ‘Vitanol A’ e também passo um produto da Actine.” relatou ela.

A acne pode atingir pessoas que não são propícias a tê-la: é o caso de Bel Nóbrega, que aos 55 anos, começou a enfrentar a acne. Segundo o relato, ela nunca teve questões com a pele, porém “com o uso de máscaras para covid, comecei a ter acne na região do queixo”. Como tratamento, Bel faz compressas caseiras com chá de camomila ou utiliza de secativo para driblar a oleosidade da pele no verão. Segundo a Dra. Isabela, uma das causas da acne na idade adulta é que “os hormônios andrógenos circulantes atuariam de forma exagerada nas glândulas sebáceas”.

A rotina de skincare também pode ser adaptada para os dias quentes e produtinhos como o protetor solar, por exemplo, pode ter textura seca, não deixando o rosto tão oleoso — e ao mesmo tempo protegido. No mercado de cosméticos há vários tipos com preços acessíveis.

Ah, e não se esqueça! Ainda são tempos de pandemia e se proteger nunca é demais. Ao utilizar máscaras de tecido, certifique-se de que elas estão limpas e lavadas. Se possível, optar por máscaras como a PFF2 e trocá-las a cada duas ou três horas ou quando estiverem úmidas.

A nova empreitada das estrelas

Enquanto 2021 foi um ano financeiramente difícil para muitos, para as celebridades foi um ano de grandes investimentos. Seguindo a tendência que se iniciou em 2020, neste ano mais estrelas entraram no ramo da beleza com marcas de maquiagem e skincare. Esse fenômeno teve seu auge graças a pandemia, que permitiu às celebs mais tempo livro de seus projetos principais para dedicarem-se ao empreendedorismo. Outro fator que acarretou nesse boom de marcas assinadas por famosos foi o teor de autoconhecimento proporcionado pelo isolamento social, que leva a novas descobertas de beleza.

Parece que a expressão “Se a Rihanna usou, não é mais feio” se transformou em “se a Rihanna empreendeu na beleza, eu também posso!”. Algumas celebridades como Kylie Jenner (Kylie Cosmetics) e a modelo Miranda Kerr (KORA Organics), já eram conhecidas justamente por conta de sua associação a assuntos da área da moda, beleza e estética. Já outras, como a atriz Drew Barrymore (Flower Beauty) e a cantora da banda Paramore, Hayley Williams (Good Dye Young) são nomes que causam surpresa ao surgirem na lista. Isso nos leva à reflexão sobre como a indústria da beleza tornou-se uma atrativa área de investimentos por conta da constante busca da sociedade pelo “belo”, sendo ainda mais vantajoso para as celebridades que usam de sua fama e capacidade persuasiva quase instantânea para atrair multidões e transformá-las em consumidoras de seus produtos. 

Entretanto, esse movimento não é necessariamente surpreendente. Muitas das celebridades que empreendem no mercado da beleza já apresentavam um histórico de colaborações com as grandes marcas de beleza, como Sephora e Mac. Os grandes nomes do mercado sempre investiram na criação de linhas assinadas por celebridades como forma de impulsionar suas próprias vendas, graças às legiões de fãs e seguidores influenciadas por elas. O sucesso e retorno financeiro que acompanha essas colaborações levou as estrelas a tomarem as rédeas e fazerem isso por conta própria, gerando um benefício próprio sem a necessidade de carregar o nome de outras empresas consigo.

O mercado de beleza movimenta bilhões de dólares por ano, e seu crescimento é exponencial. Portanto, é possível observar que o envolvimento de nomes famosos na indústria não é somente baseado no interesse genuíno pelo universo. É possível observar esse fator no crescimento de celebridades que passaram a investir no mercado de skincare – que não está tão saturado quanto o de maquiagens -, como Hailey Bieber que planeja lançar sua própria marca de cuidados para pele, Rhode, em 2022.

Hailey Bieber responde sobre o lançamento de sua marca de skincare.
Video: Hailey Bieber/Youtube
Rebranding Kylie Cosmetics como cruelty-free e vegano.
Imagem: Kylie Cosmetics

Além disso, muitos dos compradores não são necessariamente levados a comprar os produtos graças à uma afeição autêntica pela indústria, e sim pela celebridade que os vende. O grande império de beleza de Kylie Jenner, Kylie Cosmetics, só se tornou cruelty-free e vegano em 2021, o que mostra que o desinteresse do público em saber a procedência dos itens. Esse consumo de beleza impulsionado pelo fanatismo pode ser extremamente prejudicial ao mesmo ambiente e à indústria em si, ocupando o espaço de marcas preocupadas em trazer os melhores resultados enquanto seguem se preocupando com todos os fatores envolvidos no processo – mas que não possuem um nome famoso para tornar a marca bilionária.

Fast beauty – o consumo excessivo de cosméticos

O consumo exagerado de produtos de beleza, bem como a produção e o descarte irregular deles, podem ser prejudiciais ao meio ambiente e a quem busca um cuidado consigo mesmo. Longe dos olhos dos consumidores, as embalagens descartadas, as substâncias tóxicas utilizadas no processo de cultivo – até mesmo do algodão -, e o próprio transporte que distribui os produtos, são causadores de danos catastróficos. Esses processos fazem parte de um ciclo que polui a água, o solo, o ar, e que, como consequência, promove a degradação do planeta e riscos à saúde humana e à biodiversidade.

Emily Gomes, ativista ambiental. 
[Imagem: Arquivo Pessoal]

Para a ativista ambiental Emily Gomes, dificilmente a produção sustentável de itens de beleza conseguirá compensar o consumo excessivo deles, visto que o capitalismo e o desenvolvimento sustentável caminham para direções opostas. “O capitalismo visa a produção em larga escala e a venda rápida. O foco é o lucro, e não o impacto negativo ambiental que esse modo vai ter. Quanto à forma sustentável de produção, vai ao contrário dessa lógica’’, destaca.

Grande parte do consumo dos produtos de beleza, tais como alguns dos problemas com a pele, são resultantes principalmente dos cosméticos responsáveis pela rotina de cuidados. Isso por conta do bombardeio de propagandas e indicações – muitas vezes indevidas – de influenciadores que experimentam ou divulgam determinada marca e procedimento. A Vogue, por exemplo, é um espelho dessa tendência de influência ao adotar celebridades para promover um maior engajamento do público nas redes sociais e atravessar meios e grupos que não consomem seu conteúdo. Através desse método que se mostrou bastante eficaz ao criar e aproximar a relação fã-ídolo, a empresa conseguiu uma maior ampliação de sua popularidade e de seus conteúdos de beleza, impulsionando ainda mais o consumo de produtos e rotinas prejudiciais, especialmente ao meio ambiente. Um dos meios mais utilizados para isso é o Youtube: o canal Vogue possui mais de 10 milhões de inscritos e se destaca como o maior canal voltado para a área de moda e beleza da plataforma, trazendo vídeos com temática, por exemplo, de beauty secrets de celebridades.

A seguir, é possível compreender de qual maneira acontece o reflexo da influência do consumo de cosméticos nas redes sociais. Assista ao vídeo retirado do canal Vogue no YouTube:

Essa realidade deu iniciativa à “beleza ética”, que busca uma maior responsabilidade das marcas com os consumidores e com a saúde do nosso planeta. O objetivo é a criação de biocosméticos, por exemplo, através de resíduos sólidos reciclados e produtos livres de compostos que podem causar o desequilíbrio do meio ambiente e afetar a saúde de quem gosta de praticar o autocuidado.

Mas e nós, o que podemos fazer em relação a isso?

É cada vez mais comum o surgimento de marcas que demonstram sua consciência sobre as questões sociais, ambientais e que vêm investindo na venda de produtos orgânicos. Então, uma medida que pode ser adotada, é a preferência por esses artigos. Além disso, fugir da rotina de skincare de várias etapas é uma maneira de evitar maior quantidade de lixo, o descarte incorreto deles e até mesmo irritações na pele. No entanto, menos ainda é mais: o cuidado interno com bons hábitos alimentares e boa ingestão de água pode ser o segredo para uma boa aparência externa. ”Acredito muito mais no cuidado do corpo através da alimentação do que no cuidado externo. Se lotar de produto sem uma alimentação saudável alinhada, nada adianta, é dinheiro jogado fora’’, reforça Emily Gomes.

Para a médica dermatologista Yana Léda, o processo fundamental para uma boa skincare consiste em três passos: limpeza, hidratação e proteção. Para mais, ela aconselha um tratamento com um profissional. ‘’Muitos passos na skincare podem irritar e deixar a pele sensível. Esfoliantes, máscaras e mecanismos como o jade roller não são essenciais, mas podem ajudar a tornar a rotina mais legal’’, afirma. Confira abaixa os passos essenciais da skincare, de acordo com a Dra. Léda.

Importância do desenvolvimento sustentável 

Quando a indústria de beleza adota práticas de sustentabilidade no processo de produção, ela colabora e participa da conscientização das condições do meio ambiente e mostra uma responsabilidade na tentativa de reverter os efeitos colaterais e impactos negativos causados aos consumidores e todo o ecossistema. Além disso, é capaz de alertar e causar uma reflexão aos compradores acerca das questões ambientais, e ainda assim, satisfazer seus desejos.